Vida

Algarve tem um monstro pré-histórico

A descoberta resulta de duas incursões a um pequeno lago algarvio, em 2009 e 2010. Uma equipa de paleoantropólogos descobriu os restos de uma salamandra gigante na região portuguesa, desaparecida há cerca de 220 milhões de anos. Pela descrição, relata um dos investigadores, Steve Brusatte, da Universidade de Edimburgo (Escócia), ao jornal francês Le Monde, a criatura devia estar no grupo de grandes predadores da época: tratava-se de “um anfíbio do tamanho de um carro pequeno, dotado de uma mandíbula enorme com centenas de dentes afiados”.

O fóssil levou um nome coerente com o local da descoberta. A equipa designou-o Metoposaurus algarvensis no Journal of Vertebrate Paleontology, onde o artigo foi publicado. Mas há muito que certos elementos da equipa tinham curiosidade sobre este ser, que supunham ter existido mas sem este grau de conhecimento.

Nos anos 70, um grupo de paleontólogos alemães rumou àquelas paragens algarvias em busca de vestígios de grandes criaturas que se supunham ter povoado a área. Levaram alguns fósseis que depositaram num museu em Berlim. Muitos anos mais tarde, uma visita do francês Jean-Sébastien Steyer, um dos membros da equipa ao museu desertou-lhe a atenção.

Brusatte, o francês, Richard Butler da Universidade de Birmingham e o português Octávio Mateus, da Universidade de Lisboa puseram-se então em campo e acabaram por ser efectivamente surpreendidos por uma espécie extinta nunca dantes vista.   

ricardo.nabais@sol.pt