Internacional

Antilhas Holandesas deixam de existir no mapa

Foi oficialmente dissolvido o território autónomo das Antilhas Holandesas. Nascem dois novos países nas Caraíbas, ao passo que três ilhas voltam a integrar o território da Holanda

o mapa do mundo mudou este domingo. o território das antilhas holandesas, entidade autónoma da coroa holandesa composta pelas ilhas de curaçao, são martim, saba, bonaire e santo eustáquio, foi dissolvido.

até aqui, as cinco ilhas contavam com governo e parlamento comuns, sob dependência de amesterdão. para além da distância geográfica entre os territórios (curaçao e bonaire ficam a 65 km da costa da venezuela; são martim, saba e santo eustáquio situam-se a leste de porto rico, cerca de 800 de quilómetros a norte), as diferenças culturais e económicas entre as várias ilhas era motivo de conflito político.

dois novos países

a dissolução fora acordada em 2005 e comporta alguns efeitos imediatos. curaçao, com cerca de 150 mil habitantes e uma forte indústria turística, passa a contar com governo e parlamento próprios, que tomaram posse no domingo. a ilha mantém duas línguas oficiais: o neerlandês (holandês) e o papiamento, um idioma derivado do português, com elementos indígenas, africanos, espanhóis e ingleses. a rainha beatriz da holanda permanece como chefe de estado, à imagem do que acontece com várias ex-colónias britânicas.

o mesmo acontece com o território são martim, com cerca de 50 mil habitantes, que partilha a ilha do mesmo nome com saint-martin, unidade ultramarina francesa. são martim, mais anglófona que curaçao, pode desde já cobrar impostos, o que não acontece com a primeira ilha, que terá que aguardar alguns anos.

amesterdão permanece responsável pela defesa e pelas relações externas das duas ilhas, cujos habitantes mantêm a cidadania holandesa. curaçao e são martim são agora, tal como aruba desde 1986, países constituintes do reino da holanda.

integração na holanda

saba, bonaire e são eustáquio, as ilhas mais pequenas das antigas antilhas holandesas, com um total de pouco mais de 18 mil habitantes, abdicam da autonomia e passam a ser municípios holandeses, devido ao elevado grau de dependência e às relações culturais próximas com o país europeu.

a relação entre as ilhas e a união europeia permanecerá igual até 2015. os cidadãos de são martim e curaçao têm passaporte europeu mas não estão abrangidos por grande parte da legislação comunitária, podendo no entanto votar para o parlamento europeu.

nova moeda

as três ilhas menores serão a médio prazo totalmente integradas no espaço comunitário, mas não deverão adoptar o euro.

a partir de 1 de janeiro de 2011, o dólar norte-americano começa a circular naquelas ilhas, devido à pequena dimensão dos três territórios e à proximidade dos estados unidos.

são martim e curaçao esperam até 1 de janeiro de 2012 por uma nova moeda, o gulden das caraíbas.

selecção sobrevive

no desporto, porém, o antigo território sobrevive. as antilhas holandesas vão continuar a enviar atletas sob o mesmo emblema aos jogos olímpicos, devido à pequena dimensão das estruturas federativas das ilhas.

a selecção de futebol do território permanecerá em competição no campeonato das caraíbas, organizado pela concacaf e a decorrer até ao início de dezembro.

pedro.guerreiro@sol.pt