Politica

Críticos procuram alternativa a Gama

As presidenciais estão a deixar o PS em estado de sítio. O nome de Sampaio da Nóvoa como possível candidato apoiado pelo partido caiu que nem uma bomba e abriu um fosso entre os que defendem e os que criticam ferozmente essa candidatura independente. Os críticos uniram-se em torno de Jaime Gama, mas com essa hipótese afastada fazem agora tudo para encontrar uma alternativa.

Miguel Silva/SOL

Na primeira semana com António Costa a tempo inteiro no partido, depois da renúncia de mandato na Câmara para se dedicar à campanha das legislativas, o debate escapou-lhe para as presidenciais e logo com uma rebelião. O apoio do PS a uma candidatura de Sampaio da Nóvoa era dado como certo no fim-de-semana, pelo Expresso, mas as críticas fortíssimas geraram uma clivagem no partido e o secretário-geral optou por um cuidadoso silêncio. 

Vaga frustrada por Gama 

Os mais críticos do ex-reitor da Universidade de Lisboa, entre eles Sérgio Sousa Pinto - o primeiro a criticar Nóvoa de forma demolidora -, Francisco Assis, Miranda Calha, José Lello e Álvaro Beleza apostaram em Jaime Gama.

Nos últimos dias, lembrava-se o perfil moderador e diplomático do ex-presidente da AR e atribuía-se um peso positivo ao seu silêncio. “Um peixe de águas profundas”, caracterizou-o em tempos Mário Soares, que estaria à espera de uma vaga de fundo para avançar. O eurodeputado Francisco Assis escrevia, no Público, que Gama era “o nome mais adequado para a Presidência”. 

A vaga começava a ganhar força mas Ascenso Simões, conselheiro de Costa, apareceu a rebatê-la no Facebook: Gama é um “mau candidato” pela “ausência de vontade”, problemas de comunicação e a “vida para além do exercício político”, chamando a atenção para o facto de o militante número 41 do PS ser presidente de um banco do grupo BES. Em surdina, houve também quem lembrasse a possível associação de Gama ao caso Casa Pia. 
Ao final da tarde de ontem, o que no início do dia emergia como uma alternativa a Nóvoa, caía por terra de vez. Gama fez saber que não está disponível para concorrer a Belém. 

Os críticos de Nóvoa juntam-se agora para procurar uma outra solução. “Vou fazer o possível para que Sampaio da Nóvoa não seja o candidato do PS”, garante ao SOL José Lello. 

Leia este artigo na íntegra na edição em papel do SOL, já nas bancas

manuel.a.magalhaes@sol.pt 

sonia.cerdeira@sol.pt