Economia

Remuneração do ‘board’ do BCP cai 5,7% mas supera os 2,6 milhões em 2014

Os gestores do Millennium BCP auferiram, um total, superior a 2,66 milhões de euros em 2014, de acordo com o relatório e contas da instituição.

O montante - que contabiliza os vencimentos do conselho de administração, membros da comissão de auditoria e da comissão executiva - representa um decréscimo de quase 5,7% face aos 2,83 milhões recebidos no ano de 2013.

As remunerações do conjunto dos membros dos órgãos de administração e de fiscalização foi fixada em 50% dos vencimentos médios auferidos nos anos de 2010 e 2011, no âmbito do recurso ao plano de recapitalização do banco com apoio do Estado. O plano de recapitalização deverá vigorar até Junho de 2017, de acordo com a estimativa apresentada no relatório e contas da instituição relativo a 2014.

Os administradores não tiveram qualquer remuneração variável em 2014.

O conselho de administração recebeu um total superior a 372 mil euros, enquanto os membros da comissão de auditoria levaram para casa mais de 217 mil euros.

A comissão executiva arrecadou quase 1,98 milhões de euros, a que acrescem quase 101 mil euros em cargos desempenhados em outras sociedades do grupo.

Nuno Amado, presidente da comissão executiva, recebeu um total de 385 mil euros, o que compara com cerca de 411 mil euros ganhos em 2013.

BCP tem menos 789 colaboradores

O relatório e contas da instituição refere que o banco, por via dos objectivos delineados no Plano Estratégico, continuou o esforço de redução dos custos operacionais no ano passado.

Na operação doméstica reduziu o quadro de colaboradores de 8.584 para 7.795, uma diminuição de 789 funcionários.

Em simultâneo, o banco encerrou 79 sucursais no espaço de um ano. No final de 2014, contabilizava 695 sucursais.

sandra.a.simoes@sol.pt