Politica

Tensão aumenta entre Sócrates e Costa

A nuvem de José Sócrates que paira sobre António Costa acabou por desabar na Convenção do PS. A tensão entre Sócrates e Costa vai num crescendo e o novo episódio irritou os costistas. A tempestade ameaça estalar em plena campanha. 


Desde sexta-feira que os advogados de José Sócrates sabiam que a medida de coacção ia ser revista, mas escolheram, depois de uma reunião com o ex-primeiro-ministro na prisão de Évora, fazer o anúncio na tarde de sábado. A Convenção Nacional do partido tinha acabado de encerrar. O timing escolhido é criticado nos meandros socialistas e caiu mal no seio do núcleo duro costista. Afinal, relegou as propostas de Governo do PS para notícias secundárias nos telejornais, enquanto Sócrates concentrou as atenções mediáticas. Algo que temem que volte a acontecer na campanha, já que a medida de coacção será revista novamente em Setembro.

"Já tinhamos tido a coincidência desagradável de Sócrates ter sido preso na altura do Congresso [que consagrou Costa como líder] e agora temos uma nova coincidência desagradável", diz ao SOL um dirigente próximo de António Costa.

As críticas somam-se mas poucos são os que as assumem publicamente: "O PS investiu muito nesta Convenção que aprovou o programa eleitoral. Há aqui uma distracção infeliz do advogado de José Sócrates, para não dizer que há mau gosto no momento escolhido", afirma o dirigente Álvaro Beleza. "Foi um timing estranho", lamenta um ex-ministro socialista. "Tem havido um crescendo. Agora passámos à fase de conflito aberto", queixa-se um deputado. 

*com Manuel Agostinho Magalhães

Leia este artigo na íntegra na edição em papel do SOL, já nas bancas

sonia.cerdeira@sol.pt