Sociedade

IKEA desmente retirada de móveis por questões de segurança

Em declarações ao SOL, a porta-voz da IKEA Portugal desmentiu as notícias, avançadas por vários órgãos de comunicação social, de que milhões de móveis da loja sueca estavam a ser retirados do mercado, por questões de segurança.

Em órgãos de comunicação em todo o mundo, nomeadamente em Portugal, têm surgido várias notícias de que a loja sueca estaria a retirar cerca de 27 milhões de cómodas, 7 milhões das quais da gama MÄLM, após a morte de duas crianças na sequência de quedas destes móveis. Nos Estados Unidos, foi mesmo disponibilizado aos consumidores um kit para prender os móveis à parede.

Ana Teresa Fernandes, porta-voz da loja sueca em Portugal, esclareceu que nenhum móvel foi retirado do mercado e que esta situação vem na sequência de uma campanha de sensibilização para a segurança em casa da IKEA, em parceria com a Agência do Consumidor norte-americana. A campanha em causa foi direccionada apenas para os EUA.

O kit disponibilizado no mercado norte-americano não está, de momento, disponível em Portugal. Ana Teresa Fernandes realça, porém, que a IKEA sempre recomendou que todos os produtos fossem fixados à parede e que, na própria embalagem de cada móvel, há peças que permitem ao consumidor prendê-los à parede.

“Desde sempre que os clientes podem dirigir-se ao Serviço de Apoio ao Cliente para pedir essas mesmas peças”, acrescenta Ana Teresa Fernandes.

rita.porto@sol.pt