Opiniao

António Costa: Primeiro-Ministro e comentador ao mesmo tempo?

Impressionante: há um candidato presidencial, antigo membro da LUAR chamado Sampaio Nóvoa, que se indigna muito porque um dos seus adversários foi comentador político numa estação de televisão nacional. Sucede, porém, que essa indignação é apenas uma indignação fingida. Ou então é apenas mais uma contradição ou mais um equívoco deste protagonista político.

António Costa: Primeiro-Ministro e comentador ao mesmo tempo?

Porquê? Porque o seu exemplo máximo de “homem novo” do “tempo novo”, o Primeiro-Ministro, António Costa beneficiou de elevados índices de popularidade devido ao seu percurso como comentador político (os quais lhe permitiram chegar ao Governo de José Sócrates, depois tornar-se Presidente da Câmara de Lisboa, agora Primeiro-Ministro) na Quadratura do Círculo, na SIC Notícias. Com esta singularidade: António Costa era político e comentador político. Ao mesmo tempo! Acumulava as duas funções, de Presidente da Câmara de Lisboa com a de comentador político na SIC Notícias! E a elite, os comentadores que hoje consideram um escândalo haver um candidato presidencial que foi comentador na TVI, ficou incomodada na altura? Não: todos acharam normal esta singularidade de um político em exercício de funções ser, ao mesmo tempo, comentador televisivo. Isso não afectou a credibilidade do candidato, nem a credibilidade do cargo político que é a presidência de Câmara – como era António Costa, para a nossa elite, era perfeitamente normal e aceitável.

E Sampaio da Nóvoa não ficou inibido de considerar António Costa o seu “homem novo” por ser comentador político ao mesmo tempo que geria a cidade de Lisboa, confundindo, não poucas vezes, as duas funções. Agora, o que é verdadeiramente singular é que António Costa seja Primeiro-Ministro e seja convidado, pela SIC Notícias, para ocupar, ainda que por uma noite, o papel de comentador político. Ou seja: a democracia portuguesa acaba de ficar ainda mais prestigiada – um Primeiro-Ministro comentador. É mais uma originalidade portuguesa: quantas vezes Passos Coelho foi convidado para a “Quadratura do Círculo” para ser comentador por uma noite? Quantas? Dir-se-á que António Costa foi comentador residente. Certo, mas foi comentador – já não é comentador. Agora é Primeiro-Ministro. E um Primeiro-Ministro não pode se comentador.

Pacheco Pereira, na véspera, afirmara que Marcelo não pode ser Presidente da República porque é do Sporting de Braga. Hoje, António Costa é o Primeiro-Ministro comentador – e assumindo a postura de comentador. Assim, a “Quadratura do Círculo” , um programa que outrora era respeitado e respeitável, corre o risco de se transformar num acto e propaganda – ou numa palhaçada. É pena…

P.S – Não gostei de ver António José Teixeira, um jornalista de esquerda, apoiante subtil de Sampaio da Nóvoa, esboçar sorrisos, em debate na RTP 3,  quando o director do Observador elogiou a postura de Vitorino Silva nesta campanha. Pelo facto de trazer o povo profundo para o centro da política. Não é bonito atendendo à igual dignidade de todos os cidadãos e, logo, de todos os candidatos – e mostra bem a relação da esquerda caviar com o povo e com a igualdade de que tanto gostam de falar…Falam, falam sobre igualdade – mas não a praticam…

joaolemosesteves@gmail.com

Os comentários estão desactivados.