Sociedade

McDonald’s: Vai deixar de haver Happy Meal para ‘menino’ e para ‘menina’

Talvez já tenha reparado que o menu infantil da McDonald's, designado de Happy Meal, é dirigido seja para menino seja para menina, tendo em conta o brinquedo colocado dentro da caixa de refeições. Os funcionários, quando entregam o Happy Meal, fazem-no de acordo com o sexo da criança.

Mas isso vai acabar. Foi esta a garantia dada pela McDonald’s Portugal ao Diário de Notícias (DN), após ter sido confrontada pela publicação quanto à discriminação de género desta prática.

Recorde-se que, em 2014, a MCDonald’s EUA anunciou que iria pôr fim à discriminação por género.

A McDonald’s Portugal reconheceu que estes menus são discriminatórios, que não estão de acordo com as novas regras da empresa e adiantou que vão mudar a designação.

“De acordo com a nossa política global, as equipas [em Portugal] serão instruídas para descrever os brinquedos pelas suas qualidades e não oferecer certos brinquedos a rapazes e outros a raparigas.", lê-se no DN, que cita um comunicado enviado pela McDonald's Europa.

A McDonald’s Europa tentou focar o problema nos brinquedos comercializados em Portugal até 18 de fevereiro, mais precisamente 'My Little Pony', que seria para raparigas, e 'Transformers', rotulados como sendo para rapazes.

A McDonald’s realçou a questão da difícil tradução para português dos manuais de instruções destes brinquedos. "Em português, há uma distinção na forma como se refere o feminino e o masculino e isso surge na tradução da embalagem das Happy Meals subordinadas aos temas My Little Pony e Transformers", explicou a McDonald's Europa. “(…) No futuro usaremos outra forma verbal de modo a certificar que não estamos involuntariamente a influenciar a escolha e variedade de brinquedos dos nossos jovens clientes.”, acrescenta.

Relativamente aos placards dos restaurantes portugueses, que têm a designação de menu para rapariga e menu para rapaz, a McDonald’s Portugal adiantou que irá atualizar os quiosques e irão instruir os funcionários para deixarem de atribuir o menu consoante o género da criança.

Uma decisão felicitada pela secretária de Estado da Igualdade. “Não há brinquedos de menino e de menina. Aquilo que se lê naqueles questionários e a prática de dividir brinquedos por sexo é uma atitude discriminatória que reforça os estereótipos de género”, afirmou Catarina Marcelino.