Opiniao

O PS está ou não está refém dos sindicatos, do PCP e do BE?

António Costa ainda pode fazer de conta, neste Congresso do PS, que o seu Governo irá a tempo de inverter os dececionantes números da evolução negativa da economia. Com o seu otimismo crónico, ainda poderá fingir que o PIB não vai cair para mínimos de 1%, bem abaixo dos 1,5% de Passos e dos 1,8% de Centeno, ou que o défice de 2016 não vai crescer perigosamente para o nível proibitivo dos 3%, como apontam já a OCDE e a UTAO. Daqui a quatro meses, já será impossível a Costa manter a encenação. Nessa altura, já os desmentidos sobre medidas adicionais, retificativos ou planos B terão sido convenientemente varridos para debaixo dos tapetes de S. Bento e do Largo do Rato.

Estes primeiros seis meses da ‘geringonça’ vieram confirmar que António Costa não é tanto um líder político afirmativo, mas acima de tudo um hábil gestor de divergências e entendimentos, um expedito negociador de equilíbrios. Chega a Bruxelas e resigna-se, com pragmatismo e facilidade, às regras e alterações exigidas pelos seus parceiros europeus. Regressa a Portugal e cede, sem grandes dramas, às reivindicações sindicais veiculadas pelo PCP e pelo BE. Costa vai fazendo a bissetriz entre as orientações da Comissão Europeia e do Eurogrupo, de um lado, e as reclamações e pedidos do BE e do PCP, no vértice oposto. Enquanto lhe for possível.

Acontece que, nas últimas semanas, Costa se tem afastado deste meio-termo e transmitido a imagem de que o seu Governo anda a reboque do lóbi sindical. Da Fenprof na prevalência fundamentalista da escola pública sobre a escola privada. Dos Estivadores no retrocesso corporativo das condições de trabalho no martirizado Porto de Lisboa. Da Fesap nas 35 horas que criam funcionários públicos de 1.ª e de 2.ª, além de minarem o esforço para reduzir a despesa pública e o défice.

Não admira que, com esta radical entorse à esquerda do Governo, Francisco Assis venha alertar o PS: «Estamos prisioneiros do BE e do PCP». Neste Congresso, Assis será uma voz dissonante e um homem quase só. Mas, a prazo, é o líder alternativo que se seguirá a este ciclo de Costa. Nessa altura, poderá ter que reerguer um PS em cacos, um partido doutrinariamente descaracterizado e eleitoralmente esvaziado.

jal@sol.pt