Politica

Parada militar do 10 de Junho volta ao Terreiro do Paço 42 anos depois do 25 de Abril

Na sexta-feira, o Presidente da República vai dividir-se entre Lisboa e Paris para as comemorações do Dia de Portugal. Com a organização das cerimónias do 10 de Junho centralizadas em Marcelo Rebelo de Sousa, as paradas militares voltam ao Terreiro do Paço e o número de condecorações atinge um mínimo histórico.

As cerimónias começam ainda no dia 9. O roteiro final ainda está por fechar em Belém, mas a ideia é a de que o Presidente da República possa marcar presença numa série de eventos, todos ligados às Forças Armadas.

O tom não muda no dia seguinte. A 10 de Junho, o Terreiro do Paço volta a receber uma parada militar com a participação de militares dos três ramos das Forças Armadas. Haverá a habitual revista às tropas, a continência e a homenagem aos militares mortos em combate. E o discurso.

O local escolhido por Marcelo Rebelo de Sousa não fica imune a revivalismos históricos. Em pleno Estado Novo - quando, além do dia de Portugal e de Camões, se assinalava o Dia da Raça -, era ali que António de Oliveira Salazar recebia e homenageava os combatentes do Ultramar e respetivas famílias (em muitos casos, estavam apenas as famílias dos militares que morreram em combate). Cavaco Silva já tinha colado as cerimónias militares ao 10 de Junho, mas de forma itinerante, correndo o país, e Marcelo traz agora a celebração do Dia de Portugal para a beira-Tejo. As estruturas já estão a ser montadas na principal praça da capital.

No final da próxima semana, tudo aponta para que a cerimónia em território nacional dure cerca de uma hora e meia. Depois disso, o Presidente segue para a Portela, para apanhar um avião com destino a França.

Condecorações só em Paris

A segunda metade das comemorações vai ser deslocada para a capital francesa. É uma inovação trazida por Marcelo, que também decidiu guardar as habituais condecorações para Paris. Além disso, o número de condecorados não chega sequer perto dos números de anteriores chefes de Estado.

Na tarde de 10 de junho, Marcelo vai ser recebido na Câmara de Paris. Só aí começa a distinguir personalidades, mas até essa tradição foge à regras: na lista de nove pessoas a condecorar, não há um único nome ligado à política ou ao mundo empresarial. O Presidente da República optou por fazer deste dia uma homenagem aos portugueses comuns e anónimos.

A porteira de Paris que ajudou as vítimas do atentado terrorista à sala de espetáculos Bataclan, em novembro do ano passado, é uma das homenageadas por Marcelo. José e Manuela Gonçalves demonstraram a mesma disponibilidade para ajudar quem pedia socorro naquela noite e mereceram também a distinção com a Ordem da Liberdade. Natália Teixeira Syed passou exatamente pela mesma experiência e completa o quarteto de homenageados.

As restantes distinções são feitas a 11 de junho, terceiro dia de celebrações. Em Champigny, Marcelo vai distinguir dois autarcas (um deles a título póstumo), um provedor da Santa Casa da Misericórdia, um escultor e um fotógrafo - Gérald Bolcourt, de 89 anos, que dedicou toda a vida a registar a vida dos emigrantes portugueses em França.

O critério do Presidente para a imposição de insígnias terá, no entanto, a consequência de manter José Sócrates numa posição singular: continua a ser o único ex-primeiro-ministro a não ter sido distinguido depois de chefiar o Governo.

pedro.rainho@sol.pt