Sociedade

Camarate: Lee Rodrigues disse ter colocado bomba no avião, garante advogado

O advogado Acácio Brito relatou hoje na comissão de Camarate que Lee Rodrigues lhe disse ter sido o operacional que colocou um engenho explosivo no avião que se despenhou em 1980, para matar Adelino Amaro da Costa.

Camarate: Lee Rodrigues disse ter colocado bomba no avião, garante advogado

a conversa entre acácio brito e lee rodrigues aconteceu em dezembro de 1998, em são paulo, no brasil, após uma festa em que ambos foram apresentados por um familiar de acácio brito de quem lee rodrigues era cliente, contou o advogado à comissão parlamentar de inquérito ao caso camarate.

"contou-me que foi ele o homem responsável, o operacional, que colocou o engenho no avião que vitimou o ministro da defesa", afirmou acácio brito, referindo que lee rodrigues lhe disse "que o objectivo era o ministro da defesa", o democrata-cristão adelino amaro da costa.

"assumiu sempre que o fez sozinho", disse acácio brito, especificando que lee rodrigues lhe disse que "executou a operação porque o mandaram executar", sem nomear os alegados mandantes.

acácio brito, que já havia sido testemunha noutra comissão de inquérito aos acontecimentos de camarate, mas, nessa altura, ao abrigo de um programa de protecção de testemunhas, disse que o homem se identificou nessa altura como jorge.

posteriormente, o advogado das famílias das vítimas, ricardo sá fernandes, mostrou a acácio brito uma fotografia de lee rodrigues e comprovou que era a mesma pessoa.

"tive a certeza que era ele quando vi uma foto mostrada pelo doutor ricardo sá fernandes", afirmou acácio brito perante a comissão.

acácio brito contou que lee rodrigues lhe disse que vinha a portugal ver a mãe e que "entrava por lisboa", referindo ter "proteção", sem dizer de quem.

lee rodrigues disse-lhe ainda que a partir de 1999/2000 poderia voltar a portugal porque a situação estaria "resolvida", com a prescrição do alegado crime, disse acácio brito.

acácio brito disse igualmente que lee rodrigues se referiu em tom "desrespeitoso" às comissões de inquérito em que havia sido chamado a depor.

acácio brito é militante do cds-pp e nessa condição conheceu o deputado e ex-líder daquele partido josé ribeiro e castro, num jantar de militantes em braga, em que "o tema de camarate veio à baila", conforme recordou o próprio ribeiro e castro, que tem assento na comissão.

posteriormente, acácio brito encontrou-se com ricardo sá fernandes, que lhe mostra a fotografia de lee rodrigues.

a 10.ª comissão de inquérito ao caso camarate visa averiguar as "causas e circunstâncias em que, no dia 04 de dezembro de 1980, ocorreu a morte do primeiro-ministro, francisco sá carneiro, do ministro da defesa nacional, adelino amaro da costa, e dos seus acompanhantes".

lusa/sol

Os comentários estão desactivados.