mariocesariny



Nunes da Rocha: ‘Há mais humanidade no balcão de uma tasca do que nos salões literários’

Diogo Vaz Pinto