opocoeaestrada

Mónica Baldaque. «O mal no estado mais puro sempre esteve à porta da minha mãe»

Diogo Vaz Pinto