poesia

Herberto Helder. Os corredores de uma obra esmagada pela beleza que se viu nos quartos

Diogo Vaz Pinto