Internacional

Obama tranquiliza ‘aliado sagrado’

A escolha da Polónia para primeira paragem de uma digressão europeia de quatro dias já deixara pouca margem para dúvidas, mas Barack Obama não tardou a assumir a intenção: “Começo aqui porque o nosso compromisso com a segurança da Polónia e dos nossos aliados na Europa Central e de Leste é um pilar da nossa segurança e é sagrado”, afirmou o Presidente dos EUA no aeroporto onde acabara de aterrar, junto a quatro aviões F-16 norte-americanos que mostravam a presença militar do seu país na região.


Na maior demonstração até ao momento de que os EUA não encaram as sanções como única resposta à pressão russa na Ucrânia, Obama anunciou ainda que pedirá ao Congresso de Washington para um investimento de mil milhões de dólares no que chama de ‘iniciativa de tranquilização da Europa’. Um projecto que prevê um reforço significativo da presença militar norte-americana no Velho Continente, incluindo navios de guerra no Báltico e no Mar Negro.

A ideia é criar uma força que poderá responder mais prontamente a agressões como a anexação russa da Crimeia, em Março. “Pela primeira vez desde a II Guerra Mundial, um país europeu perdeu uma província devido à força militar de outro país”, lembrou o ministro dos Negócios Estrangeiros polaco, Radoslaw Sikorski, num encontro com Obama que contou ainda com a presença de representantes dos governos de Bulgária, Croácia, República Checa, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Roménia e Eslováquia.

Ainda na Polónia, onde amanhã participará nas comemorações do 25.º aniversário das primeiras eleições livre do país após o regime comunista, Obama terá o primeiro encontro com o Presidente eleito da Ucrânia, Petro Porochenko.

A Rússia será um ponto em comum a toda a digressão europeia. Depois da demonstração de solidariedade face aos países da periferia russa, Obama irá para Bruxelas para a primeira reunião de um G8 transformado em G7, devido à expulsão da Rússia decretada após invasão da Crimeia.

Para o fim está marcado o primeiro frente-a-frente com Vladimir Putin desde que estalou a crise ucraniana. Será em França, onde Obama se encontrará com François Hollande em Paris, que o Presidente norte-americano estará ao lado do homólogo russo para a celebração do 70.º aniversário do desembarque da Normandia.   

nuno.e.lima@sol.pt