Desporto

Grécia, o axioma do golo

Dois golos, uma vitória, um apuramento. A Grécia é um país que gira à volta do golo. Não vai muito mais para além disto, não precisa, o golo é a evidência do futebol. 

Kone em ombros Georgi Licovski/EPA

Quando o faz é uma festa – foi o que aconteceu frente à Costa do Marfim, com o penálti tardio (nos descontos) que deu o triunfo por 2-1. Bastou uma única vitória para a equipa de Fernando Santos seguir em frente e deitar por terra as aspirações marfinenses (com o empate passavam).

Sem marcar nem ganhar nos dois primeiros jogos com a Colômbia (derrota por 3-0) e Japão (0-0), conseguiu mesmo assim apurar-se para os oitavos-de-final. Foi necessário esperar pela precisão matemática destes gregos. O que não parece difícil, numa nação entalada pelo axioma de Euclides e o pi de Arquimedes.

Marcou – atirou três bolas aos ferros – e deixou-se empatar. Só nos descontos carimbou a passagem. Um penálti de Sio deitou tudo a perder. Samaras não falhou e foi dar festinhas em Barry, o guarda-redes devastado marfinense, prostrado no chão. 

 

 

FICHA DE JOGO

Estádio Castelão, Fortaleza.

Golos

1-0 por Samaris, aos 42';

1-1 por Wilfried, aos 74';

2-1 por Samaras (g.p.), aos 92'.

 

Equipas

Grécia

Karnezis; Maniatis, Manolas, Samaras, Kone, Karagounis, Salpingidis, Torosidis, Lazaros, Sokratis e Cholevas.

Suplentes

Samaris, Cambio, Gekas, Glykos , Tachtsidis, Moras, Tziolis, Mitroglou, Vintra, Kapinos, Fetfatzidis, Tzavelas.

 

Costa Marfim

Barry; Boka, Kolo Touré, Kalou, Tiote, Gervinho, Drogba, Aurier, Yaya Touré, Serey e Bamba.

Suplentes

Wilfried, Cambio, Diomande, Mathis Bolly, Sayouba Mande, Akpa Akpro, Konan Ya, Max Gradel, Gbohouo, Djakpa, Sio, Ousmane Viera.

 

Árbitro

Carlos Vera (Equador)

Assistentes

Christian Lescano (Equador)

Byron Romero (Equador)

4.º árbitro

Sandro Ricci (Brasil)

 

TEMPO

Sol
29°C 
27m/s vento
58% humidade

 

 

SOL