Tecnologia

Quer revelar um grande segredo? Então experimente esta app

Secret. O nome diz tudo. A app para iOS (iPhone e do iPad) e Android está na berra desde o início do ano, e está nas primeiras páginas esta semana.

Primeiro, uma breve apresentação. Secret permite partilhar segredos de forma anónima, mas com um atractivo especial: o utilizador pode escolher se partilha os seus ‘podres’ entre um grupo de amigos, mantendo o anonimato, ou perante o mundo inteiro.

Da mesma forma, quem lê segredos alheios pode filtrá-los por grupos de amigos, por proximidade geográfica (fica a saber qual o boato do momento lá no bairro), ou saber da ‘bomba’ do momento a nível mundial.

Criada por um antigo funcionário da Google, começou a merecer a atenção da imprensa especializada no início do ano, bem como o investimento de vários fundos de Silicon Valley. De resto, passou a ser um meio para divulgação de notícias (e de mentiras) sobre a indústria tecnológica.

O conceito não é original. O site PostSecret recebe segredos anónimos desde 2005, e a app Whisper foi lançada já há alguns anos. No entanto, o Secret é inovador ao possibilitar a referida filtragem de segredos.

Problemas de segurança

Como tudo na web, também o Secret tem um lado negro. No Brasil, a app foi utilizada de forma maldosa por vários utilizadores, que revelaram segredos ou difundiram boatos gravemente lesivos sobre outras pessoas. Esta semana, um tribunal da cidade de Vitória, estado brasileiro do Espírito Santo, proibiu a app em todo país, citando riscos de devassa da vida privada e de bullying (assédio moral).

O Secret está agora indisponível na AppStore brasileira, deverá desaparecer da PlayStore da Google, e será também apagado de todos os telemóveis – sim, Apple e Google podem fazê-lo tecnicamente. Em Portugal, permanece disponível.

A app enfrentou recentemente outro problema. Um conhecido analista de segurança informática – ou, digamos, um hacker bonzinho – conseguiu encontrar uma forma de identificar os segredos supostamente anónimos de uma determinada pessoa. Neste caso, não se trata de um bug informático, mas sim de um truque de engenharia social que envolvia a criação de diversas contas falsas.

De qualquer forma, a start-up responsável pelo Secret já fez as correcções necessárias para impedir esta acção. De resto, o hacker em causa estava a participar num programa oficial de detecção de bugs, pelo que informação sensível dos utilizadores não terá caído em mãos erradas.

Posto isto, fica o desafio. Secret é uma boa solução para quem quiser desabafar e contar aquele segredo inconfessável. Fica só o aviso: o anonimato nunca estará garantido a 100%.