Vida

Não gostar do seu corpo pode ser uma doença

Não gostar muito do seu nariz ou da forma das orelhas é absolutamente normal. Mas se os defeitos que nota no seu corpo o fazem esconder-se do mundo e lhe provocam ansiedade ao ponto de pensar neles muitas vezes por dia e evitar situações sociais, pode sofrer de Transtorno Dismórfico Corporal ou dismorfobia. Este é um problema de ansiedade sério que deve ser tratado.

Não gostar do seu corpo pode ser uma doença

As vítimas deste transtorno ficam tão obcecadas pelos seus defeitos físicos que passam horas a pensar no assunto, acabando por evitar situações sociais para esconder essa aparência. Sendo que por norma o que vêem no espelho nem sequer corresponde à realidade vista pelos olhos dos outros.

Chegam a despender três a oito horas diárias a pensar nos seus defeitos, explica Katharine Phillips, professora de psiquiatria da Universidade Brown, nos Estados Unidos, ao site Everyday Health.

A dismorfia conduz à depressão, ansiedade, fobia social e outras emoções negativas. Interfere com o dia-a-dia e alguns dos doentes isolam-se em casa e até podem ter tendências suicidas.

Os especialistas consideram que a ansiedade pode estar na origem deste transtorno, mas também há uma componente genética e ambiental (ter sido humilhado em criança ou viver numa cultura que enfatiza a imagem física, por exemplo).

Se juntarmos uma personalidade dependente a baixa auto-estima temos os ingredientes para desenvolver um transtorno deste género. As pessoas com transtornos de ansiedade - como os obsessivos-compulsivos -, depressão e transtornos alimentares, como bulimia ou anorexia, correm um risco mais elevado de desenvolver dismorfia.

O que fazer?

Se depois de ler estes sinais pensa que pode sofrer com este problema, o primeiro passo é procurar um psicólogo clínico. Por norma, as terapias cognitivo-comportamentais são as mais indicadas para este problema.

Além da terapia, existem também medicamentos que podem ajudar a aliviar os sintomas tais como os antidepressivos inibidores selectivos da recaptação da serotonina (ISRS).

O que não deve fazer?

Fazer cirurgias plásticas ou tratamentos de pele não vão resolver o problema. A origem do transtorno na verdade não está na aparência, mas sim na forma como olha para si. E por mais que mude o seu corpo, este é um problema mais profundo que não vai resolver de forma superficial.

 

 

 

Os comentários estão desactivados.