Economia

EDP Renováveis investe 600 milhões nos EUA

A EDP Renováveis pretende investir 600 milhões de euros ainda este ano, nos EUA. A empresa liderada por João Manso Neto vai construir três novos parques eólicos em Oklahoma, no Kansas e na Califórnia, revelou o responsável durante um encontro com jornalistas na sede da empresa em Houston, nos Estados Unidos. “As renováveis hoje conseguem ser mais competitivas” do que as outras energias, embora o “gás continue a ser preciso”, frisou.

O gestor adiantou que em 2016 pretende fazer um outro investimento de 600 milhões de euros em dois novos parques. A EDP Renováveis passará assim a contar com 36 parques eólicos e um parque solar neste país. A criação destas cinco unidades, nos próximos dois anos, vai permitir um aumento da capacidade de produção na ordem dos 800 megawatts - 400 por ano -, que se juntarão aos 3.996 megawatts de capacidade instalada que detém actualmente.

Manso Neto garantiu que o mercado norte-americano continua com uma capacidade de crescimento apelativa, sobretudo devido às novas regras do país em termos ambientais, que vão obrigar a uma significativa redução das emissões de carbono até 2020. O mercado terá de reduzir em cerca de 15% o actual consumo energético proveniente de combustíveis fósseis, o que significa que há espaço para as renováveis crescerem. E, mesmo com a evolução do gás de xisto, o espaço para as energias eólicas e solares não é insignificante.

A empresa tem apostado sobretudo na primeira, uma vez que os custos de produção são bastante mais baixos e o mercado é mais sofisticado - a sua especificidade acaba por naturalmente diminuir a concorrência. Além de que o solar tem uma rentabilidade de apenas 8%, que acaba por não compensar o investimento. “As renováveis vão ter um papel fortíssimo”, sublinhou Manso Neto, sinalizando que o mercado norte-americano é aposta a longo prazo.

O gestor  sublinhou ainda que a empresa tem conseguido cumprir a política a que se obrigou, de “nem um tostão pedido à casa-mãe”. E revelou que “a EDP Renováveis já gerou 400 milhões de fundos líquidos” e que até 2017 esse valor “deverá chegar aos 700 milhões”.

O CEO da empresa frisou ainda que, apesar de na Europa haver a percepção de que os EUA não estão ainda concentrados na importância das energias renováveis, sente-se exactamente o oposto. “Este é um mercado em amplo crescimento, e que tem um papel fundamental no crescimento das energias renováveis”, acrescentou António Mexia, presidente do grupo EDP, na mesma ocasião.

*Jornalista do i, em Houston