Desporto

Ala esquerda do Benfica derruba Astana em 11 minutos

Duas iniciativas dos homens da ala esquerda, Gaitán e Eliseu, deram hoje o triunfo ao Benfica na receção ao FC Astana, na estreia da fase de grupos da Liga dos Campeões. Na primeira, foi o próprio argentino a finalizar a jogada e na segunda o defesa esquerdo português ofereceu o golo de bandeja a Mitroglou. Em 11 minutos, os campeões portugueses ultrapassaram a resistência dos homólogos do Cazaquistão.

Gaitán e Eliseu, deram hoje o triunfo ao Benfica Steven Governo/AP

O primeiro sinal das intenções do Benfica surgiu ao fim de um minuto, com o primeiro remate. Mas o que poderia fazer adivinhar um assalto ao reduto cazaque depressa se esfumou, perante o acerto defensivo da equipa de Leste, que esteve longe de se render ao favoritismo dos lisboetas.

Em estreia absoluta na Champions, o FC Astana surpreendeu ao aproveitar o espaço concedido no meio campo dos encarnados para lançar contra-ataques que, sem ameaçar o guarda-redes Júlio César, foram suficientes para travar o ímpeto inicial dos anfitriães.

O Benfica só criou verdadeiro perigo à passagem da meia hora, na sequência de um excelente trabalho de Jonas na grande área. Com um toque subtil, o brasileiro tirou um adversário do caminho e teve o golo à mercê, mas o guarda-redes Nenadéric conseguiu desviar o remate com o pé. Na resposta, os cazaques ameaçaram num remate à malha lateral por Dzholchiyev, que deu água pela barba a Eliseu.

Sem rasgo, a equipa da Luz vivia das ações esporádicas de Nico Gaitán, mas foi de novo através de Jonas que esteve perto do golo. Num contra-ataque à beira do intervalo, o avançado ganhou espaço para o remate e encontrou de novo o pé de Nenadéric a negar-lhe o êxito.

No regresso dos balneários, o Benfica passou das intenções aos atos. Mas antes, logo no primeiro minuto, apanhou um susto, ao ver Schetkin atirar ao poste depois de se isolar perante Júlio César. Era já notória, no entanto, a tentativa de aumentar o ritmo quando Gaitán abriu o marcador, escassos cinco minutos mais tarde. Após combinar com Eliseu, o argentino meteu o turbo para furar a defensiva cazaque e rematar com sucesso.

Estava desbloqueado o nulo do resultado e o Benfica soltou-se ainda mais para o ataque. Aos 56 minutos, Mitroglou falhou o segundo, num desvio de cabeça que passou a rasar o poste, após cruzamento perfeito de Nélson Semedo. E, aos 62, Eliseu arrancou pela esquerda e serviu de novo o grego, que só teve de encostar com o pé para ampliar a vantagem dos encarnados.

Ao contrário do que se poderia esperar, os homens do FC Astana não se amedrontaram e conseguiram soltar-se das amarras em que tinham sido presos nos primeiros 15 minutos da segunda metade. Voltaram a sair da ‘toca’ em contra-ataques e a equilibrar mais o jogo, aproveitando também o desacelerar do Benfica, que no entanto controlou sempre o resultado e nunca teve a vitória em risco. Até podia ter feito mais golos. Ficou pelos dois e, mais importante, somou os três primeiros pontos na prova milionária, liderando o seu grupo a par do Atlético de Madrid, que venceu em Istambul o Galatasaray também por 2-0. 

rui.antunes@sol.pt