Vida

Ator de 'Uma Família Muito Moderna' confessa ter feito várias cirurgias plásticas

   

Reid Ewing, que interpreta a personagem 'Dylan' na série 'Uma Família Muito Moderna', confessou sofrer de síndrome da distorção da imagem, uma perturbação psicológica que faz com que a pessoa fique obcecada com os eventuais (ou inexistentes) defeitos na sua aparência física, e, por isso, ter-se submetido a várias cirurgias plásticas para mudar a sua aparência.

O ator explica, num texto publicado pelo Huffington Post, que era obcecado pela aparência. Acabado de chegar a Los Angeles, e praticamente sem amigos, passava os dias no seu apartamento a tirar fotografias a si mesmo, “de todos os ângulos”, e analisava-as ao pormenor.

Em 2008, e com apenas 19 anos, decidiu fazer uma cirurgia plástica. “‘Ninguém tem o direito de ser tão feio’, pensei eu. ‘É inaceitável’”. O jovem afirma que, na altura, achava que iria ficar igual a Brad Pitt com apenas uma operação.

O médico que consultou concordou que Reid precisava de uma cirurgia plástica para a sua carreira de ator e afirmou que implantes faciais iriam resolver as questões que o jovem tinha com a sua aparência.

Após a cirurgia, acordou cheio de dores e o especialista não o avisou que teria de usar uma máscara que iria cobrir a totalidade da sua cara durante duas semanas. Com medo que alguém descobrisse o que tinha feito, saiu de Los Angeles e, ao fim dessas duas semanas, percebeu que o resultado final não era nada daquilo que tinha imaginado: “A minha cara estava extremamente inchada, não iria conseguir arranjar nenhuma desculpa para aquilo, portanto decidi esconder-me no meu apartamento em Los Angeles durante mais uma semana”.

Reid recorda que a caminho de casa foi mandado parar por uma agente da polícia, que lhe perguntou o que tinha acontecido à sua cara. O ator disse-lhe que tinha tido um acidente de carro e a agente tirou-lhe uma fotografia. “Ela foi-se embora sem dizer mais nada, mas eu não conseguia parar de imaginar que ela iria mostrar a fotografia a toda a gente, quando chegasse à esquadra e que, um dia, a imagem voltaria a aparecer e iria acabar comigo”, relata.

Quando o inchaço da operação finalmente desapareceu, Reid não gostou do que viu ao espelho, comparando a sua aparência com a de um cadáver. Como não queria que ninguém o visse assim, isolou-se por completo.

Foi então que recorreu a outro especialista. “O próximo que encontrei era ainda menos qualificado, mas não quis saber; só queria sair daquela situação. Contei-lhe a minha história e ele sugeriu um implante no queixo”. No mesmo dia foi submetido à cirurgia, mas poucos dias depois, reparou que conseguia mexer o implante por baixo da pele. O médico reconheceu o erro e voltou a operá-lo.

“Nesta altura, tinha 20 anos. Nos anos que se seguiram, fiz mais operações com outros dois médicos. A cada operação surgia um problema que eu tinha de resolver com outra cirurgia”, explica o jovem, acrescentando que isto aconteceu quando estava a gravar a série 'Uma Família Muito Moderna'. Reid refere que durante as gravações, já tinha retirado grande parte dos implantes e estava a experimentar intervenções menos invasívas, como lipoinjeções.

Reid afirma que, em 2012, já não aguentava com o isolamento, o secretismo, a depressão e o ódio que sentia por si mesmo. “Jurei nunca mais submeter-me a uma cirurgia plástica, apesar de continuar extremamente preocupado com a minha aparência. Foram precisos cerca de seis meses até estar à vontade com o facto de as pessoas olharem para mim”.

O ator ainda deixa um conselho a todas as pessoas que queiram submeter-se a uma cirurgia plástica. “Antes de tentarem mudar a vossa cara, devem questionar-se se não é a vossa mente que tem de ser mudada”.