Sociedade

Canais de notícias sobem com Paris e política ao rubro

Catástrofes e crises suscitam normalmente grande interesse. E os canais de notícias (que seguem a atualidade), ganham audiências extra. É isso o que provam os dados do desempenho dos canais portugueses nos dias seguintes aos atentados de Paris, com o CMTV  (canal do grupo Cofina, que não é distribuído pela Nos) a aumentar a sua média de espetadores em mais de um terço: de 17.300 passou para 25.400.

Sem surpresa, o fim de semana foi de grandes audiências para os quatro canais de notícias.  A CMTV quase duplicou a audiência no sábado, o dia que se seguiu aos atentados reivindicados pelo Daesh. De 16.700 espetadores em média no sábado anterior, 7 de novembro, a estação passou para 30.900. A SIC Notícias mais do que duplicou: de 42 mil e 600 espetadores, no dia 7, conquistou uma média de 89.100 espetadores a 14 de novembro, segundo os dados fornecidos pela MediaMonitor/CAEM. 

A RTP3 obteve resultados de nível invulgar: de 18.600 espetadores no sábado anterior passou para quase o dobro no dia 14 (36.700). Mas os resultados da semana mostram um interesse moderado do seu público. De uma média de 23 mil espetadores na semana anterior, o canal de informação do grupo RTP passou para uma média de 25 mil. Uma pequena melhoria apenas.

Já a TVI 24 foi a estação que cresceu menos com o impacto no interesse do público dos ataques terroristas em Paris. A média fornecida pela empresa medidora de audiências registou um aumento de apenas 600 espetadores ao longo desta semana.

Mas além de Paris, há outro fator a manter a prender a atenção nos canais que acompanham o fluxo de informação em contínuo: a complicada situação política portuguesa. O dia 10 de novembro, quando o Governo PSD/CDS foi derrubado no Parlamento, foi a prova máxima disso, com todos os canais de notícias no cabo a registarem bons resultados.

A SIC Notícias teve mesmo o seu dia histórico, com o melhor resultado desde que entrou em vigor o novo sistema de audimetrias, a 1 de março de 2012. Com o debate do programa do Governo na Assembleia da República, que terminaria na sua rejeição, o canal do grupo Impresa fez 4,4% de share (a percentagem de espetadores ligados) e  79 mil espetadores. 

SIC Notícias  muda e ganha 

A SIC Notícias tem vindo a beneficiar também, segundo um comunicado do canal, de uma nova estratégia para captar mais audiências. A mudança ocorreu na semana passada, com uma pequena revolução no horário nobre. Em vez dos habituais magazines e reportagens das 20h, a estação passou a esta hora a emitir   em simultâneo com a casa-mãe, a SIC, e apresentar o mesmo noticiário. Logo de seguida, Clara de Sousa ou Rodrigo Guedes de Carvalho (alternadamente) fazem o novo Jornal das 9 e às 22h arranca a Edição da Noite, dirigida por Ana Lourenço. Segundo a estação, novembro está a ser um mês histórico.
 

telma.miguel@sol.pt