Economia

Indústria é líder das exportações

As exportações atingiram em 2015 um novo máximo histórico, com as vendas de empresas portuguesas a ao exterior a atingirem 49,8 mil milhões de euros. Mas que setores contribuíram mais para este desempenho? O SOL pediu dados desagregados ao Instituto Nacional de Estatística divulgados (INE) e verificou que a indústria é o setor com mais predominância.

Só em fornecimentos de máquinas e aparelhos, Portugal exportou sete mil milhões de euros. São produtos elétricos ou peças desses bens, como alternadores, auto-rádios, entre muitos outros.

No segundo lugar deste ranking aparece a indústria de materiais de transporte, que exportou 5,7 mil milhões de euros. Aqui entram por exemplo os veículos produzidos na Autoeuropa. Em terceiro lugar aparecem os têxteis, com exportações de 4,8 mil milhões de euros.

Peso no PIB

No conjunto do ano de 2015, as exportações aumentaram 3,6% em relação ao ano anterior, o que representa uma aceleração face ao acréscimo de 1,7% registado em 2014.

Já as importações aumentaram 1,9%, o que corresponde a uma desaceleração relativamente ao crescimento de 2014 (+3,4%). O défice da balança comercial atingiu 10,3 mil milhões de euros, o que representa uma redução de 569,8 milhões de euros face ao ano anterior. Isto significa que, embora a balança comercia continue desequilibrada, as exportações estão a contribuir cada vez mais para o crescimento da economia.

Mas, ainda de acordo com o INE, o crescimento de 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado indicam que o consumo privado foi o principal impulsionador do crescimento da economia portuguesa, subindo 2,6% em relação ao ano anterior. As compras de bens duradouros aumentaram 11,4% e atingiram o valor mais alto desde 2010.

O potencial do calçado

Neste desempenho, algumas indústrias estão a dar sinais de que podem ganhar ainda mais potencial no futuro. No final do ano passado, a indústria do calçado fez saber que esperava encerrar o ano a conseguir ultrapassar a fasquia dos dois mil milhões de euros em exportações. Mas não conseguiu. De acordo com o INE, este setor acabou o ano com vendas 1,9 milhões de euros.

Até porque o calçado de origem nacional continua a sofrer com uma grave entrave: o défice de imagem do calçado português face ao italiano. De acordo com um estudo da Universidade Católica, os produtos deste setor com etiqueta ‘made in Portugal’ ainda estão 17% abaixo dos que têm etiqueta italiana. O valor das exportações nacionais poderia subir se esta clivagem diminuísse.

sofia.santos@sol.pt