Sociedade

A ligação de Vilarinho, Portela, Ilídio e Abreu Advogados às offshores do Panamá

Manuel Vilarinho,ex-presidente do Benfica, Luís Portela, dono da BIAL, e Ilídio Pinho são três dos 240 nomes portugueses que surgem relacionados com as offshores do Panamá. Os dados estão a ser analisados desde julho pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação, de que são parceiros o Expresso e a TVI. O caso Papéis do Panamá é já considerado a maior fuga de informação de sempre.

Vilarinho diz que não tem rabos de palha

O ex-presidente do Benfica surge nas listas como tendo usado uma offshore, a Soyland Limited Liability Company (com sede nos Estados Unidos). Contactado pelo Expresso, Vilarinho disse já estar à espera da chamada: “Pois é claro que o meu nome aparece nos Papéis do Panamá. Eu sei que estou lá, sabe o Ministério Público, e sabe todo o país”, disse adiantando que esse foi um pecado seu e que está no Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

“Paguei a bula como na sexta-feira santa, para poder comer ao domingo. Não tenho rabos de palha e sou um cidadão cumpridor. Já paguei tudo o que devia”, assegurou àquele semanário.

O Expresso refere ainda que nas trocas de correspondência de Vilarinho com a sociedade Mossack Fonseca surge o tema Operação Monte Branco, a que o ex-dirigente dos encarnados apareceu associado.

Luís Portela e a BIAL no Panamá

Luís Portela é outro dos portugueses que surgem nas longas listas de portugueses. O dono da farmacêutica BIAL controlava de forma indireta a offshore Grandison International Group Corp. Desde 2004 que, segundo a invertigação do consórcio, tinha o poder de movimentar dinheiro e ativos da conta bancária que lhe estava associada, mas a empresa offshore terá entretanto sido encerrada.

Sem entrar em grandes pormenores, o presidente não executivo da BIAL explicou ao Expresso que a farmacêutica tem presença no Panamá: “Uma filial a partir de onde coordenamos a nossa atividade nos diferentes países da América Central onde operamos”.

Em 2009, a BIAL criou uma outra sociedade no Panamá, a BIAL América Latina S.A..

Ilídio Pinho desmente Papéis do Panamá

O empresário Ilídio Pinho surge nos Papéis do Panamá, juntamente com pessoas da sua confiança, associado a diversas offshores. Segundo o Expresso, os documentos atestam que em 2006 Pinho e outras oito pessoas do seu núcleo duro tiveram o ‘ok’ para movimentar contas de uma sociedade (a IPC Management Inc) que estava ligada à offshore Stardec Investments S.A., com sede no Panamá.

Confrontado por aquele semanário, o empresário negou que alguma vez tenha criado para si ou para o seu grupo qualquer offshore: “Absolutamente zero!”

Abreu Advogados está na lista da Mossack

A sociedade de advogados Abreu surge na documentação que está a ser investigada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação como sendo um dos intermediários que participaram em operaçãoes  relacionadas com offshores. Segundo foi divulgado hoje, o nome de um dos advogados daquele estcritório, André Gouveia e Silva, surge nos registros da Mossack como sendo um “contacto de referência” para a offshore MSM Trading, encerrada em 2011.

Contactada pelo Expresso, a Abreu afirmou que “cumpre escrupulosamente todos os procedimentos legais no aconselhamento aos seus clientes. Invocou, porém, “limitações de sigilo profissional” para não responder a questões mais concretas.

Papéis do Panamá: Tudo sobre os portugueses nas offshores

O 'saco azul' do GES escondido 21 anos no Panamá

O gestor de fortunas com ex-ministros portugueses como clientes

Portugueses desconhecidos nas offshores