Internacional

Dilma Rousseff: “Posso ter cometido erros, mas não cometi crimes”

Dilma Rousseff caracterizou o seu afastamento da presidência, após a aprovação do processo de impeachment pelo senado, como “um verdadeiro golpe”.

A presidente do Brasil, agora afastada do cargo por 180 dias e substituída pelo vice-presidente Michel Temer, admite  que pode “ter cometido erros”, mas garante que não cometeu crimes.

"O que está em jogo não é apenas o meu mandato. O que está em causa é o respeito pela vontade soberana do povo brasileiro e pela democracia”, afirma.

"O que está em jogo são as conquistas dos últimos 13 anos, os ganhos das pessoas mais pobres e da classe média, a proteção às crianças, os jovens chegando às universidades e escolas técnicas", acrescentou.

Dilma Rousseff foi notificada esta quinta-feira da decisão do Senado de, com 55 votos a favor e 22 contra, afastar a presidente do seu cargo durante um período de máximo de seis meses, para que seja julgada no Senado por crime de responsabilidade.