Sociedade

Entraves. As (várias) pedras no caminho das obras que prometem mudar Lisboa

Desde cordões humanos para proteger árvores em risco de ser abatidas, conflitos de interesses e metro e autocarros que mais parecem sardinhas em lata a muitas horas passadas no trânsito, os lisboetas têm sofrido nos últimos meses em prol de uma nova cidade. Nem tudo é mau: pelo meio das obras já foram descobertos vestígios arqueológicos, o que é sempre uma boa notícia.

Roma e Pavia não se fizeram num dia e, claramente, as obras de Lisboa também não. À partida não esperamos um desfecho desta epopeia de empreitadas tão moroso como o das obras de Santa Engrácia, mas os longos meses já contados têm tido um custo diário elevado para os lisboetas. Um preço que vai além dos muitos milhões de euros que custam os projetos. Desde atrasos até embargos – na Segunda Circular, provocados por um mau motivo; no Campo das Cebolas, por uma descoberta simpática –, deixamos-lhe as pedras encontradas nos caminhos destas empreitadas.

Segunda circular

Por esta altura já devia estar a ser criada uma Segunda Circular renovada, com espaços arborizados, novos pavimentos, uma solução de iluminação mais eficiente e onde se passaria a circular a um máximo de 60 km/hora. No entanto, em setembro, um anúncio da câmara municipal apanhou todos de surpresa: as obras ficariam suspensas devido a conflitos de interesses. O autor do projeto de pavimentos fabricava e vendia um dos componentes utilizados nos trabalhos. A decisão suspendeu a empreitada já em curso no troço entre o nó do Regimento de Artilharia de Lisboa [RALIS] e a Avenida de Berlim, e cancelou todas as restantes obras previstas.

Transportes

São um dano colateral das obras, mas têm um impacto brutal no dia-a-dia de muitos lisboetas. Com vários locais praticamente proibidos devido ao trânsito [saltar para o último ponto], a afluência dos transportes públicos aumentou. Como aumentou também o número de turistas. Com estes dois reforços de utentes de peso, seria de esperar uma resposta à altura. Pelo contrário, há 20 carruagens de metro paradas.

A Comissão de Utentes de Transportes de Lisboa iniciou na segunda-feira um ciclo de protestos contra a degradação do serviço sob o mote “20 carruagens paradas, 20 dias de luta”. Assim, nos próximos dias, os organizadores da manifestação estarão presentes em várias estações de metro onde recolherão as queixas dos utentes. Os tempos de espera entre as composições, os elevadores e escadas rolantes avariadas e a sobrelotação de carruagens – o que faz com que, nas redes sociais, muitos utentes descrevam a experiência de andar de metro como a de uma “sardinha em lata” – são alguns problemas apontados pelos manifestantes. Já nos autocarros, os utilizadores descrevem igualmente situações de sobrelotação – também causada pelo crescimento do turismo – e tempos de espera mais longos entre as viaturas.

Campo das Cebolas

São 12 os milhões de euros adjudicados ao novo Campo das Cebolas, a obra mais cara (se excluirmos a Feira Popular) deste leque. As escavações têm revelado tesouros arqueológicos escondidos pela poeira (e terra, e calçada, e alcatrão) dos anos. Até agora, já foi descoberta uma escadaria pombalina que daria acesso ao rio, um paredão da mesma época e restos de um poço pós-pombalino. Foram ainda encontradas duas embarcações de pequena dimensão do século xix e um cais da mesma época. As descobertas fazem com que arqueólogos e empreiteiros trabalhem lado a lado para dar vida ao projeto de Carrilho da Graça. E os achados arqueológicos poderão dar uma graça extra à nova praça: os responsáveis pelo projeto equacionam usar a escadaria pombalina como um dos acessos ao parque de estacionamento. Apesar dos (bons) percalços, a obra acabará dentro do tempo previsto, garantiu Fernando Medina na assembleia municipal, na passada terça-feira.

Árvores do campo grande

O projeto do Eixo Central não contempla o Campo Grande, recentemente renovado, mas as obras também chegaram aqui. Nomeadamente para criar um novo parque de estacionamento. Estava tudo bem até, este mês, os “irredutíveis” moradores perceberem que, no projeto do novo parque em frente aos números 35 e 37 – e onde vão ser igualmente criados um corredor para transportes públicos e duas novas vias de circulação –, cerca de 30 árvores iriam ser arrancadas. Um grupo de residentes que se autointitulou “Os irredutíveis do Campo Grande” uniu-se contra o abate das árvores e organizou uma manifestação na passada segunda-feira em frente à câmara. Aos moradores juntaram-se membros do Fórum Cidadania LX e da Plataforma em Defesa das Árvores. O cordão humano foi o suficiente para que a autarquia recuasse: com o protesto, os manifestantes conseguiram impedir o abate de 28 árvores. Serão apenas abatidas três árvores e transplantadas cinco. Na quarta-feira, Medina reagiu ao caso. “Acho que não estivemos bem. [O projeto inicial] não se enquadra na nossa orientação política”, admitiu o autarca. “Só posso lamentar a solução original”, disse, citado pelo “Público”.

Trânsito

O dia 3 de maio marcou o início de nove meses de obras no chamado Eixo Central de Lisboa. Nesse dia, a câmara avisou que os trabalhos iriam inevitavelmente afetar o tráfego em algumas das principais vias da cidade.

As obras começaram na Fontes Pereira de Melo, em direção ao Saldanha, e em Entrecampos, em direção à Avenida da República. As seis faixas da Avenida Fontes Pereira de Melo passaram a quatro e enquanto assim se mantiverem será possível os carros particulares circularem nos corredores Bus.

Apesar dos avisos e do cuidado da autarquia em garantir vias alternativas, a insatisfação de quem lá passa diariamente fez-se sentir logo uma semana após o arranque dos trabalhos. Um buzinão organizado por um grupo de lisboetas marcou o protesto contra as obras que, em simultâneo, afetam a circulação, principalmente em hora de ponta. Isto porque às obras no Eixo Central se juntam as da zona ribeirinha, que afetam as ruas entre o Cais do Sodré e o Campo das Cebolas.

Na altura do protesto estavam ainda previstos os trabalhos na Segunda Circular que acabaram suspensos por anulação do concurso público para a requalificação desta via.