Internacional

Multimilionários lideram projeto de “capital paciente”

Riqueza combinada dos empresários participantes no BEV ultrapassa os 170 mil milhões de dólares

Além de Bill Gates, entre os investidores do BEV destacam-se Jeff Bezos, fundador da Amazon, Richard Branson, fundador da Virgin, Jack Ma, presidente da Alibaba, ou John Arnold, um multimilionário que fez fortuna na área do gás natural e que tem investido em energias limpas e renováveis.

O fundo conta ainda com o dono da cadeia de hotéis Kingdom, Alwaleed Bin Talal, o presidente da Reliance Industries, Mukesh Ambani, ou o cofundador da SAP, Hasso Plattner.

Com base em estimativas da agência Bloomberg e da revista “Forbes” sobre a fortuna de cada um deles, a riqueza combinada de 20 dos membros fundadores do BEV chega a quase 170 mil milhões de dólares (160 mil milhões de euros). Por comparação e a título de exemplo, o número é pouco inferior ao produto interno bruto anual de Portugal , que está perto dos 179 mil milhões de euros.

A iniciativa Breakthrough Energy foi apresentada no inverno de 2015, na Conferência do Clima em Paris, na qual mais de 170 países assinaram um compromisso para limitar o aquecimento da Terra a 1,5 graus centígrados e atingir um balanço neutro de emissões de gases com efeito de estufa na segunda metade deste século.

As medidas a aplicar para alcançar estas metas variam de país para país. Em Portugal será preciso aumentar a utilização de energias renováveis, em especial a energia solar, e apostar nos veículos elétricos e nos transportes públicos, quer de passageiros quer de mercadorias.

Abordagem Bill Gates e os restantes investidores do BEV reuniram-se pela primeira vez em Seattle, EUA, em agosto, durante dois dias, para discutir as diferentes abordagens possíveis para a utilização do fundo.

Entre os tópicos em discussão no grupo estava a existência, ou não, de um bom conjunto de empresas com capacidade e disposição para participar no BEV e quando estariam disponíveis para investir.

“Sendo um fundo a 20 anos com ‘capital paciente’, ou seja, não precisa de ganhos a curto prazo, isso permite-nos ter uma perspetiva de longo prazo, bem como a possibilidade de financiar tecnologias que não encaixam no modelo de capital de risco tal como o conhecemos hoje”, revelou ao “Quartz” John Arnold.

Os investidores estão neste momento a recrutar uma equipa de gestão que deverá estar a trabalhar dentro de três meses.

A expetativa é que o tamanho inicial do fundo aumente, com mais investidores a participarem, e que o BEV lance fundos adicionais.

Bill Gates diz que um futuro de energia limpa, acessível e fiável depende de muito mais do que o investimento de mil milhões de dólares do fundo. O milionário quer trabalhar com parceiros estratégicos, envolvendo as empresas energéticas e apoiando as inovações tecnológicas mais prometedoras.