Desporto

Clássico. Nuno discorda de Danilo: "Só nos passa pela cabeça vencer na Luz"

Médio portista havia dito que fundamental era não perder, mas o treinador do FC Porto tem outra visão

O FC Porto vai este sábado à Luz com um pensamento único: vencer. Ainda na concentração da Seleção, Danilo havia admitido que fundamental era a equipa portista não perder, mas o seu treinador refuta essa ideia. "Temos a consciência do que temos de fazer e vamos para todos os jogos para a vencer. Não nos passa pela cabeça outro cenário que não esse, em todos os jogos, numa luta que será até ao fim do campeonato", atirou Nuno Espírito Santo esta quinta-feira, na conferência de Imprensa de antevisão ao jogo com o Benfica.

O técnico portista, ainda assim, considera este jogo "determinante, mas não decisivo", lembrando que os dragões só irão capitalizar uma eventual vitória na Luz se ganharem os jogos seguintes: "O FC Porto está impossibilitado de perder pontos e todos os jogos são finais, da primeira à última jornada. Vamos ao Estádio da Luz competir com a ambição de conquistar três pontos. É um jogo importante, um jogo diferente, que para o nosso adepto significa muito."

Nuno considera, assim, que o mais importante é controlar a parte motivacional dos seus jogadores. "Será essencialmente um jogo de emoções. Enquanto equipa jovem, temos vindo a melhorar nesse aspeto. Neste jogo, não será preciso tanta motivação mas sim controlo de emoções", salientou o técnico portista, assumindo alguma responsabilidade própria pelo facto de o FC Porto não ser líder da Liga: "Temos a consciência que perdemos pontos onde não devíamos ter perdido, sobretudo em empates, em jogos onde a produção foi suficiente para vencer. Podíamos ter mais pontos nesta altura." Os dragões, recorde-se, são a melhor defesa e o melhor ataque da prova. "Isso é fruto do trabalho dos jogadores. A nossa solidez defensiva é o ponto base e ao longo da competição fomos melhorando os outros aspetos, sempre com uma ideia de equipa. Nunca esquecendo que cada lance, cada minuto é fundamental no decorrer do jogo", realçou Nuno.

De regresso ao grupo estão Maxi Pereira, Diogo Jota e Rúben Neves, faltando agora apenas a chegada de Layún e Herrera. "Os calendários dos internacionais foram diferentes, fomos recebendo os jogadores ao longo da semana, mas felizmente todos já chegaram e chegaram bem, tirando o Layún e o Herrera, os quais esperamos que cheguem amanhã. A equipa está bem, com vontade de competir, num jogo que sabemos que é diferente, um clássico, e vamos com a maior motivação para conseguir o nosso objetivo, a vitória", voltou a salientar o técnico. Questionado sobre o desgaste dos internacionais, Nuno garantiu que todos "estarão disponíveis": "O Maxi Pereira chegou bem, o Miguel Layún chega amanhã, tenho a indicação de que chegará bem e depois tomaremos uma decisão. Logicamente que eles terão tempo para recuperar."

Pelo meio, uma questão... curiosa: foi, de facto, Nuno Espírito Santo o treinador responsável pela dispensa de Jonas do Valência (aconteceu logo após a chegada do técnico português ao clube che)? E o treinador do FC Porto não fugiu à questão. "Jonas trabalhou connosco no Valência mas não de forma continuada. Quando nós chegamos ao clube já estava decidido que ele não ia ficar. Jonas é um bom jogador e, neste caso, é mais um adversário", indicou Nuno, reservando ainda elogios para o Benfica: "É um adversário difícil, uma boa equipa, que vem tendo rotinas ao longo das últimas épocas. Um adversário com boas individualidades, que defende bem e tem boas saídas para o ataque. Mas estamos concentrados no que nós podemos fazer, em potenciar o nosso jogo, para controlar e dominar o jogo."