LifeStyle

15 dicas para aprender a beijar melhor

“Ora bem, ponho a cabeça para o lado para os narizes não chocarem? Mas tenho que ter cuidado é com os dentes, que ainda acabam por bater nos dele… Bolas, esqueci-me de comprar pastilhas, devo estar com um hálito horrível”. Quer tenha 15 ou 50 anos, são muitas as preocupações que se têm quando se está prestes a beijar alguém pela primeira vez. Mas, de acordo com o livro ‘The Art of Kissing’ (‘A Arte de Beijar’, em português), citado pela Time, existem várias dicas que o podem ajudar a ultrapassar o nervosismo inicial e a aproveitar o momento.

Quer ou não quer?

Primeiro que tudo, é necessário perceber se a outra pessoa quer tanto quanto nós. Mas a verdade é que há sempre um momento de constrangimento na primeira vez que um casal se beija. 

Existe um princípio que todos devem ter em mente: Quando se dá este passo, quer implique um beijo na boca ou na bochecha, estamos a entrar no “espaço pessoal” de alguém. Para nos chegarmos tão perto, é preciso que haja um nível razoável de confiança e de vontade.

Assim sendo, o melhor é começar com pequenas aproximações físicas -  um toque na mão ou afastar o cabelo dela, por exemplo. Estes pequenos sinais mostram que se está a “preparar terreno” para posteriormente avançar para um gesto mais íntimo.

Um bom beijo

São como tudo na vida: a gosto. Para alguns, os repenicados são os melhores, para outros os mais ‘atrevidos’ levam-nos ao céu.

William Cane, autor 'The Art of Kissing', perguntou a vários homens e mulheres quais as características que mais gostavam num beijo e elaborou duas listas que podem ajudar qualquer um a ter o ‘o melhor primeiro beijo de sempre’.

Conselhos para elas (O que eles gostam)

- Abram a boca. A investigação deste autor mostra que os homens preferem “beijos mais molhados, com língua a entrar em acção”;

- Mostrem iniciativa;

- Mantenham um papel activo durante o beijo;

- Resumindo: Não tenha medo e não se retraia. 

Conselhos para eles (O que elas gostam)

- A queixa mais frequente das mulheres (e escrito tal e qual como vem no site da Time): Não enfie a sua língua pela garganta dela abaixo. Está a beijá-la, não a tentar sufocá-la.

- Deixe-a respirar. Esteja atento à respiração dela porque (lá está…) não está a tentar sufocá-la.

- ‘Oiça’ o beijo dela: vá retribuindo consoante os avanços dela. Liderar e ser um bocadinho agressivo não tem nada de mal, mas também não se deve ser sôfrego.

- Cuide bem dos seus dentes e hálito. As mulheres (e muitos homens claro, mas elas têm tendência a reparar mais nestas coisa do que eles) detestam homens desleixados e pouco higiénicos. 

Nem tudo é técnica

Segundo o livro ‘The Science of Kissing: What Our Lips Are Telling Us’ (‘A Ciência do Beijo: O que os nossos lábios nos dizem’, traduzido à letra), uma pessoa pode beijar muito bem, mas não conseguir conquistar ninguém com os lábios.

Isto porque existem outros factores (para além dos chamados ‘técnicos’) que influenciam o momento:

-  Aparência: Ter bom aspecto é uma parte importantíssima numa relação. E se esta ainda não existe, mas há projectos para que ‘nasça’ uma, então não apareça com o cabelo todo despenteado ou com meias e chinelos…

- Ambiente: Escolha um sítio apropriado, sem que haja grandes focos de tensão à volta;

- Contexto: Um beijo ‘sentido’ não pode acontecer do nada. Dê um propósito a tudo;

- Gostos: Aprendam quais as preferências da outra pessoa. Assim terá vários tópicos de conversa e o momento irá desenrolar-se de uma forma muito mais natural. 

Pequenas curiosidades 

- De acordo com a obra mencionada anteriormente, “53 por cento das mulheres preferem beijar um homem que tenha a barba feita”;

- Para além da boca, “O sítio onde as mulheres mais gostam de ser beijadas é o pescoço”. No entanto, “apenas 10 por cento dos homens” gosta de sentir os lábios nessa parte do corpo.

- “As mulheres queixam-se de que os homens não variam muito quando as beijam, que parecem máquinas e são repetitivos. Elas querem vários beijos: No pescoço, nas orelhas, ‘chupões’, umas vezes agarrando o lábio de cima, outras o de baixo… seja criativo”.

joana.alves@sol.pt