Sociedade

Tragédia. Avioneta aterra em praia da Caparica e mata duas pessoas

Os dois tripulantes ficaram com termo de identidade e residência e serão ouvidos hoje. Torre de controlo recebeu comunicação de avaria no motor


Uma avioneta Cessna aterrou ontem à tarde de emergência no areal da praia de São João da Caparica, Almada, e atingiu mortalmente dois banhistas. O acidente aconteceu cerca das 16h45, pouco depois de o piloto ter feito uma comunicação de emergência à torre de controlo de Cascais alegando existir uma falha no motor.

Assim que aterrou na terra molhada matou um homem de 56 anos e uma menina de oito anos que estavam junto à água e não conseguiram fugir. 

Os dois tripulantes da avioneta Cessna – que apesar de ter matrícula do Aeroclube de Torres Vedras estava ao serviço da escola de aviação G-Air – foram de seguida ouvidos pela Polícia Marítima. Ao final da tarde, o comandante do Porto de Lisboa, Paulo Isabel, confirmou aos jornalistas que ambos ficaram sujeitos à medida de coação mais leve, ou seja, termo de identidade e residência. Esta manhã, ambos serão presentes a primeiro interrogatório judicial.

“Mayday, Mayday, Mayday” Pouco antes de se aproximar do areal, o piloto do Cessna 152 – que fazia a ligação entre Cascais e Évora – contactou a torre de controlo para avisar que estava com um problema no motor e precisava aterrar numa praia.

“Mayday, mayday, mayday. Aero Escola One minus zero. Falha do motor. Vai aterrar na praia.” Estas foram as últimas palavras do instrutor antes de tocar na areia e ceifar a vida de duas pessoas, e foram divulgadas ontem pela SIC. 

A informação de que o voo em causa se tratava de um voo de instrução foi entretanto confirmada ao final da tarde de ontem pelo comandante Paulo Isabel, que deixou claro que agora se iniciam duas investigações: uma judicial e outra técnica.

Além das duas mortes, o acidente provocou ainda ferimentos ligeiros numa mulher que acabou por cair quando o avião se aproximou da areia e toda a gente começou a fugir. 

O piloto e o outro ocupante terão saído ilesos do acidente e estão já a ser ouvidos pela Autoridade Marítima na Costa da Caparica. Os contornos em que se deu a aterragem vão agora ser investigados. 

Indignação com piloto Até chegarem as autoridades ao local, vários banhistas indignaram-se com o piloto da aeronave, tendo este saído do local escoltado. Em diversos videoamadores ouve-se mesmo pessoas gritarem “assassino” para o piloto e sugerindo que este poderia ter feito uma amaragem.

Quando o avião aterrou na praia, o areal estava cheio de pessoas, o que poderia conduzir a um desfecho com uma dimensão ainda maior.

O Aeroclube de Torres Vedras, proprietário da aeronave, reagiu ontem ao início da noite, lamentando as mortes e garantindo que o Cessna 152 estava em “perfeitas condições mecânicas, com todas as revisões e certificações exigidas”. 
Segundo fonte da Proteção Civil, logo após a comunicação do acidente foram enviados para o local 11 veículos e 25 operacionais dos bombeiros, da GNR e do INEM. Quem estava na praia diz que as autoridades demoraram cerca de dez minutos a chegar à praia.

A avioneta foi retirada da praia ao final da tarde, depois de serem realizadas no local todas as diligências necessárias para a investigação. Os corpos das duas vítimas permaneceram no local até à chegada do Instituto Nacional de Medicina Legal.

Os comentários estão desactivados.