Sociedade

Aga Khan doa 100 mil euros para recuperação do Pinhal de Leiria

Esta não é a primeira iniciativa do género por parte do prínicpe Aga Khan. Em Setembro, distribuiu meio milhão de euros às vitimas dos incêndios de Pedrógão

Aga Khan, o milionário líder da comunidade ismaelita em Portugal, anunciou que vai doar cem mil euros para a rearborização das zonas mais destruídas pelos últimos grandes fogos. Os cem mil euros que disponibiliza serão usados na limpeza do Pinhal de Leiria e posterior plantação. Estima-se que a área intervencionada tenha 75 hectares e venha a receber 156 mil árvores.

O donativo foi anunciado hoje, em Lisboa, pelo príncipe Amyn Aga Khan, irmão do líder da comunidade ismaili, durante uma receção a que presidiu para assinalar o Dia do Imamat, um evento que juntou centenas de pessoas no Centro Ismaili da capital.

Este projeto de rearborização foi organizado em colaboração com o Ministério da Agricultura que irá agora concretizá-lo através do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, entidade responsável por identificar a área de intervenção. Todo o processo de reflorestação deverá decorrer entre janeiro e março do próximo ano.

Recorde-se que as centenas de incêndios que deflagraram no dia 15 de Outubro, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 45 mortos e cerca de 70 feridos, perto de uma dezena dos quais graves. A Mata Nacional de Leiria foi a maior superfície ardida, com quase 9.476 hectares destruídos (86% do total).

Interesse por Portugal

Este tipo de iniciativa por parte do príncipe Aga Khan não é novidade.

Desde que, em 2015, a sede do Imamat Ismaili foi estabelecida em Portugal, o interesse por tudo o que se passa no país aumentou. Mesmo assim, a Fundação Aga Khan, uma das agências da Rede Aga Khan para o Desenvolvimento (AKDN), opera em Portugal há mais de 30 anos.

Ajuda a Pedrógão

Em Junho, o líder da comunidade ismaelita, Aga Khan, doou meio milhão de euros para apoiar as vítimas dos incêndios em Pedrógão Grande, verba que, segundo o comunicado, “já foi distribuída na sua quase totalidade”.

Na altura, o príncipe preferiu não entregar o dinheiro a instituições ou fundo de apoio às vítimas. O meio milhão de euros foi entregue em forma de bolsas de estudo e cada aluno recebe diretamente na sua conta bancária 500 euros. Através de um processo de candidatura, os alunos das famílias mais atingidas pela tragédia dos incêndios foram selecionados segundo critérios e requisitos acordados entre o Instituto da Segurança Social o Imamat, que forneceu a lista final ao líder ismaelita, explicou o Expresso. São abrangidos cerca de mil alunos.