Sociedade

Palácio de Mafra. Circulação pedonal interdita por risco de queda dos sinos

O vento e a chuva forte que se vão fazer sentir nestes dias podem representar um risco

A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e a Proteção Civil interditaram, esta quinta-feira, a circulação pedonal mesmo em frente às torres do Palácio Nacional de Mafra, de forma a evitar acidentes, no caso de ocorrer a queda de sinos ou outras estruturas, devido ao mau tempo que se vai agravar nas próximas horas.

"O condicionamento imposto nos últimos dias à circulação de pessoas na área envolvente às torres sineiras é uma medida de segurança preventiva, resultante da ativação de um plano de contingência criado pela DGPC em articulação com o município de Mafra", refere a DGPC.

No entanto, a mesma entidade esclareceu que, "apesar do mau tempo registado nas últimas semanas, não se deteta um agravamento do estado de conservação das torres, dos sinos e respetivas estruturas de suporte, não havendo, por isso, risco de derrocada."

Recorde-se que há cerca de cinco anos, em 2013, os sinos de Mafra foram considerados um dos “Sete sítios mais ameaçados na Europa”, pelo movimento de salvaguarda do património Europa Nostra.

A recuperação destes sinos é urgente, uma vez que há sinos presos por andaimes desde 2004, mas a situação é, regularmente, monitorizada com periodicidade por vários técnicos da DGPC e outros especialistas.