Internacional

EUA recusa levantar as sanções contra o Irão

O pedido de isenção de sanções a empresas europeias que façam negócio com o Irão, por parte de três membros da UE, foi rejeitado pelos EUA

Os Estados Unidos rejeitaram o pedido da União Europeia para isentarem de sansões as empresas registadas em estados membros e que fazem negócios com o Irão. O governo norte-americano justifica, numa carta escrita pelo secretário de Estado, Mike Pompeo, que Washington procura “estabelecer uma pressão financeira sobre o regime iraniano”.

O pedido foi feito pelos governos de Inglaterra, Alemanha e França no mês passado. "Procuraremos estabelecer uma pressão financeira sobre o regime iraniano sem precedentes", pode ler-se na carta às três nações que efetuaram o pedido, que também foi assinada pelo secretário do Tesouro norte-americano Steven Mnuchin, segundo a NBC News.

No entanto o governo dos Estados Unidos acrescenta que "não estão em posição de fazer exceções a esta política, exceto em circunstâncias muito específicas". Segundo a NBC News, este pedido teria sido aceite se a segurança nacional dos EUA beneficiasse dessas isenções. 

Já a União Europeia receia que estejam em causa 855,5 milhões de euros, devido às novas sanções impostas pelos EUA, em maio, quando Donald Trump decidiu abandonar o acordo nuclear de 2015. Com isto, as sanções anteriores ao acordo voltaram a ser impostas. No entanto, Inglaterra, Alemanha e França comprometeram-se a respeitar o acordo, recusando seguir o caminho do presidente norte-americano.

Em 2017, o lucro das exportações da UE para o Irão atingiram um valor de 108,8 mil milhões de euros e as importações valeram 101,1 mil milhões de euros.