Internacional

Brexit. Campanha “Vote Leave” multada em mais de 61 mil libras

Investigação prova que “Vote Leave” não declarou gastos que fez durante a campanha, excedendo “os limites “ considerados “legais”

A campanha a favor da saída do Reino Unido da União Europeia – “Vote Leave”- foi acusada de violar a lei eleitoral do país, segundo revela esta terça-feira a Comissão Eleitoral do Reino Unido. A comissão encontrou provas de que “não declararam seu trabalho em conjunto e não respeitaram os limites de gastos legais".

As conclusões resultam de "uma investigação aprofundada sobre os gastos e campanhas de Voto Leave e BeLeave", relativa ao referendo de 2016 e "encontrou provas substanciais de que os dois grupos estavam a trabalhar num plano comum, não declararam seu trabalho em conjunto e não respeitaram os limites de gastos legais".

De acordo com o relatório da investigação, a campanha pro-Brexit gastou mais de 675 mil libras na empresa de dados Aggregate IQ, que não foram declarados. Segundo avança o The Guardian, “Vote Leave” terá de pagar uma multa de 61.000 libras, cerca de 70.000 euros.

A Comissão Eleitoral denuncia, também, uma falta de cooperação durante o decorrer da investigação dos membros da “Vote Leave”. “Durante um período de três meses, fizemos cinco tentativas de entrevistar a Vote Leave e não conseguimos”, afirma a chefe executiva da Comissão Eleitoral, Claire Bassett, à BBC Radio 4. O que resulta numa multa ao “Vote Leave” por “resistir à investigação desde o início” e  por ter contestado “o direito como regulador legal para abrir a investigação”, segundo Bob Posner, um também membro da comissão à rádio.

A comissão, segundo o The Guardian, já partilhou todos os dados que retirou desta investigação com a polícia para investigarem se foram cometidas mais fraudes durante a campanha.