Sociedade

Ar que respiramos está a matar-nos. Poluição já causou mais de 400 mil mortes prematuras

Ar das cidades europeias está cada vez mais poluído com substâncias particularmente perigosas.

As consequências do ar poluído que se respira já começam a ser visíveis. As substâncias perigosas que pairam no ar das cidades europeias já terão provocado centenas de milhares de mortes prematuras durante 2016.

O alerta é do relatório da Agência Europeia do Ambiente que será divulgado hoje em Copenhaga, na Dinamarca.

De acordo com o relatório, tem havido algumas “melhorias lentas”, mas "a poluição do ar continua a ultrapassar os limites e diretivas da União Europeia e da Organização Mundial de Saúde". O documento baseia-se em dados recolhidos em 2.500 postos de recolha de dados durante o ano de 2016.

Segundo indica a Agência Europeia do Ambiente, os transportes rodoviários são umas das principais causas para esta poluição, uma vez que emite partículas nocivas e gases perigosos como é o caso do azoto e do ozono, que são "um perigo para a saúde humana e para o ambiente".

A exposição ao ozono terá contribuído para a morte prematura de cerca de 17.700 pessoas em 41 países europeus.