Sociedade

Amante de Rosa Grilo diz que relação amorosa "não tinha futuro" e que não sabia do homicídio do triatleta

“Foi tudo sem que soubesse”, garantiu António Joaquim, que alega ainda não saber manusear armas

DR  

António Joaquim confessou em tribunal que mantinha uma relação amorosa com Rosa Grilo, viúva de Luís Grilo, há quatro anos e que o triatleta “não sabia de nada”.

De acordo com a notícia avançada pelo Correio da Manhã, António Joaquim garantiu que a relação com Rosa Grilo “já não tinha futuro” e que queria ficar com a ex-mulher.

“Tentei que ela [ex-mulher] voltasse atrás, mas não consegui. Eu queria ficar com ela e com os nossos filhos”, disse o amante de Rosa Grilo, suspeito de ser cúmplice do homicídio de Luís Miguel Grilo.

Apesar de considerar que a relação com Rosa não tinha futuro, o ex-funcionário judicial, que alega não saber nada do crime, diz que ficou a dormir em casa da amante, uma vez que esta parecia “abalada”.

Contudo, o discurso de António Joaquim torna-se contraditório, uma vez que revela que se ia encontrar com Rosa no dia em que Luís Grilo foi dado como desaparecido, a 16 de julho.

“Ela mandou uma mensagem a dizer que não podia. E só mais tarde, já depois das quatro, é que me disse que o Luís tinha desaparecido”, afirmou, citado pelo CM.

António Joaquim alega ainda que nunca desconfiou do crime: “Ela [Rosa] parecia abalada. E eu sempre pensei que o Luís tinha sido atropelado”.

Relativamente à arma utilizada para matar Luís Miguel Grilo, António Joaquim garante que a arma estava em sua casa e que não sabe como Rosa a “tirou”, acrescentando ainda que o crime foi cometido pela amante.

“Foi tudo sem que soubesse”, garantiu.

O ex-funcionário judicial garante ainda que não sabia manusear armas.

Recorde-se que, António Joaquim e Rosa Grilo, em prisão preventiva, são suspeitos do homicídio de Luís Miguel Grilo. Segundo a versão de Rosa Grilo, o marido terá sido morto por “dois angolanos e um branco” por causa de “diamantes”.