Desporto

Libertadores. Boca Juniors não quer entrar em campo para o segundo jogo da final

O clube voltou a pedir que a partida da 2.ª mão da final da Taça Libertadores se dispute em "condições de igualdade"

Tudo em suspenso na final da Taça Libertadores, que coloca frente a frente o River Plate e o Boca Juniors, os dois colossos europeus argentinos que se defrontam pela primeira vez na história na final da competição.

Depois do 2-2 na Bombonera, casa do Boca, o jogo derradeiro da Libertadores estava agendado para este sábado, no Monumental, mas, recorde-se, um ataque dos adeptos do River ao autocarro da equipa visitante, levou a que o encontro fosse adiado pela Conmebol.

Entretanto, foi anunciado que o encontro seria disputado este domingo, pelas 20 horas portuguesas, mas esta tarde, o Boca partilhou um comunicado nas redes sociais do clube a informar que solicitou à Conmebol que o jogo da 2.ª mão da final da Taça Libertadores se dispute em "condições de igualdade".

"Para mim, não deveríamos jogar amanhã (neste domingo), é o mesmo que aconteceu com o Boca (em 2015)", havia dito Carlos Tévez, jogador do Boca, este sábado, após os incidentes registados.

Tévez mencionou ainda um episódio de 2015, quando apoiantes do Boca Juniors atiraram gás pimenta na direção de jogadores do River no intervalo da partida entre as equipas, referente aos oitavos de final da Libertadores. Na altura, o clube acabou eliminado da competição.

"Se fosse com o Boca, já estávamos fora. A taça era do River. Não foi assim na Bombonera? Eliminaram o Boca, agora estamos a pensar quando vamos jogar", atirou.

"Que deem a taça ao River, já que eles têm tanto peso na Conmebol. Não fazem nada com eles", disse, por sua vez, Benedetto, reclamando a falta de castigo ao adversário.

O ataque ao autocarro do Boca deixou, recorde-se, alguns jogadores feridos - Pablo Pérez e Lamardo precisaram mesmo de ser encaminhados para o hospital.

O duelo estava inicialmente marcado para 18h (de Brasília) deste sábado. Porém, com a confusão, a Conmebol adiou o início do jogo em uma hora (passando para as 19h); e depois, em mais 1h15 (às 20h15). A confirmação do adiamento foi anunciada somente por volta de 20h30 (22h30 portuguesas).