Sociedade

Moradores da zona oeste de Lisboa defendem igualdade no valor do passe de transportes

Residentes de concelhos fora da Área Metropolitana de Lisboa consideram que passe a 40 euros deveria ser alargado a outros concelhos

Vários moradores na zona Oeste de Lisboa – que fica fora da Área Metropolitana de Lisboa (AML) – consideram que o passe de transportes a 40 euros deveria ser alargado a outros conselhos que não pertençam à AML.

“A vantagem para quem vive em Lisboa claramente é boa, mas devia abranger outros concelhos”, defendeu Mara Garcia, em declarações à Lusa, residente em Torres Vedras e estudante em Lisboa. “De Torres Vedras, por exemplo, vão centenas de pessoas todos os dias para Lisboa e pagam valores enormes”, completou.

Joana Santos, também moradora em Torres Vedras, mas trabalha em Lisboa contou à agência de notícias que as pessoas de Torres Vedras “estão extremamente desagradadas com esta situação de haver um passe mis barato para outras freguesias” que ficam “relativamente à mesma distância de Lisboa”.

“Estamos a juntas pessoas suficientes para uma petição para tentarmos de alguma forma ter, pelo menos, um desconto (...) ou um valor razoável que seja comparável com este novo processo que está a ser feito”, completou.

A AML já confirmou que está a estudar o valor dos passes dos concelhos fora da AML com as Comunidades Intermunicipais limítrofes, de forma a chegarem a um acordo para baixar os preços para quem se desloca diariamente desses concelhos para a capital.

Por exemplo, uma pessoa que venha de Alenquer ou Sobral de Monte Agraço – a 45 minutos da capital – paga 160,70 euros. Já moradores de Torres Vedras pagam 165 euros de passe.