Sociedade

Governo afasta administrador operacional da Transtejo

Ministério confirma demissão, mas não avança motivos

O vogal do Conselho de Administração da Transtejo, com responsabilidade pela componente operacional, foi demitido pelo Ministério do Ambiente.

José Osvaldo Bagarrão foi afastado na sequência das supressões de carreiras entre as duas margens do Tejo, e que esta terça-feira motivaram a invasão de passageiros insatisfeitos numa embarcação já lotada no Cais do Seixal, o que originou a interrupção total do serviço.

O Ministério do Ambiente confirmou, ao Jornal de Notícias, a demissão, mas não explicou os motivos do afastamento. A Transtejo refere que o administrador cessa funções a partir de esta sexta-feira.

Esta não foi a primeira vez que os passageiros manifestaram o seu desagrado, a situação tem-se repetido desde o inicio do ano.

"No terminal fluvial do Seixal, perante as incontornáveis supressões de algumas carreiras, surgiram manifestações de impaciência por parte dos passageiros, à semelhança de outras registadas durante o 1º trimestre do ano", afirmou fonte oficial da administração da Transtejo, na terça-feira.

José Osvaldo Bagarrão, de 65 anos, agora afastado da Transtejo já desempenhou cargos de direção de exploração comercial no Metro de Lisboa, entre 2001 e 2012, e foi técnico assessor na Direção dos Transportes em Macau nos anos 90.