Sociedade

Furto de armas Glock na PSP. Quatro suspeitos detidos, dois são polícias

Foi em janeiro de 2017 que foi detetado o furto de 57 pistolas Glock das instalações na sede da PSP

Está em curso, esta quarta-feira, uma ação policial para deter os suspeitos do assalto à Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP), em Lisboa, em janeiro de 2017. Segundo a SIC Notícias, quatro dos suspeitos já foram detidos, sendo que dois deles são agentes da PSP, que na altura eram responsáveis pelo arneiro da Direção Nacional.

A operação, com o nome ‘Ferrocianteo’, está a ser coordenada pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DCIAP) do Ministério Público (MP) e conta com a PSP.

A estação de Carnaxide adianta ainda que, no âmbito da operação da Polícia Judiciária para deter os responsáveis pelo assalto a Tancos, na última segunda-feira, foi detido um homem que é também suspeito de estar envolvido neste caso.

A polícia acrescenta em comunicado que decorrem no total 14 buscas domiciliárias e quatro buscas não domiciliárias em vários pontos do país: Vila Nova de Gaia, Gondomar, Mafra, Abrantes, Alvaiázere, Sintra, Cascais, Oeiras, Lisboa, Almada e Albufeira.

Há quatro mandados de detenção emitidos, contra dois civis e dois agentes da PSP.

Foi em janeiro de 2017 que foi detetado o furto de 57 pistolas Glock das instalações na sede da PSP, depois de uma das armas ser apreendida a um traficante de droga.

Em outubro, o ministro da Administração Interna informou que oito das 57 armas furtadas haviam sido recuperada, três delas em Andaluzia e uma em Ceuta. Outras quatro foram recuperadas em Portugal.