Sociedade

Tancos. Nono arguido indiciado por "crime de terrorismo internacional" fica em prisão preventiva

Tribunal de Instrução Criminal considera que há perigo de continuação da atividade criminosa. 

De acordo com a decisão do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, o nono detido na sequência do processo do furto das armas de Tancos, que está indiciado por “crime de terrorismo internacional”, vai ficar em prisão preventiva.

O despacho do juiz João Bártolo, a que a Lusa teve acesso, indica que o Tribunal de Instrução Criminal considera que existe perigo de continuação da atividade criminosa, perigo de perturbação e da tranquilidade da ordem pública, bem como do perigo de perturbação do decurso do inquérito.

Recorde-se que o nono suspeito foi hoje detido pela Polícia Judiciária.