Sociedade

“Proteção civil é capturada pelos fogos florestais”, diz comandante José Manuel Moura

“Mais capazes têm de estar no sistema sejam do Bloco de Esquerda ou Bloco de Direita”

José Manuel Moura, antigo comandante operacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil, afirmou esta terça-feira que “a proteção civil é capturada todos os anos pelos fogos florestais”, mas “não se resume” aos tradicionais dois ou três meses do verão, “incluindo toda a tipologia de acidentes”, por isso tem de ser encarada perante essa mesma realidade.

O comandante José Manuel Moura falava durante as Jornadas Parlamentares do CDS/PP, que hoje terminaram em Braga, defendeu que “o sistema de proteção civil não deverá ser perturbado com dispersão regional em que uns meios funcionam através de circunscrições distritais e outros por regiões ou unidades territoriais, quando terá que ser sempre numa lógica de coerência territorial, havendo só uma e para todos os agentes da proteção civil”.

“Os mais capazes e os mais competentes têm de estar no sistema de proteção civil, sejam do Bloco de Esquerda ou do Bloco de Direita, porque esta é uma atividade onde morrem pessoas e que é crítica, não se compadece com experimentalismos”, disse o comandante.

José Manuel Moura referiu “ser contra as ‘capelinhas’ e a dispersão de meios” no setor e também são de evitar “as sobreposições de meios”, pugnando por um equilíbrio entre os meios distribuídos pelo país, segundo as necessidades e as especificadas em cada região, “nunca improvisando e mais importante que tudo garantir que o socorro chegue a todos”.