Sociedade

Al Gore diz que EUA “continuarão no Acordo de Paris”

Antigo vice-presidente norte-americano interveio hoje no Porto

Joaquim Gomes
Joaquim Gomes
Joaquim Gomes
Joaquim Gomes
Joaquim Gomes
Joaquim Gomes
Joaquim Gomes

O antigo vice-presidente dos EUA, Al Gore, afirmou esta quinta-feira, no, Porto que “os Estados Unidos da América manter-se-ão no Acordo de Paris”, uma convicção partilhada “pelo facto de apenas poderem retirar-se no dia a seguir às próximas eleições nos EUA”.

Al Gore falou cerca de duas horas, o dobro daquilo que estava estabelecido no protocolo, mas foi sempre seguido com muita atenção, tendo a dada ocasião, ainda na primeira parte, deixado de existir gravação áudio oficial da sai intervenção.

Na sua intervenção, Al Gore referiu que “apesar da decisão do atual Presidente dos EUA, Donald Trump, do país se retirar do Acordo de Paris, vários estados” norte-americanos estão já a avançar, mesmo sem o governo federal, como sucede na Califórnia, em que se aponta para a meta de cem por cento a nível das energias renováveis.

“Nos EUA temos um Presidente instável, mas eu não lhe quero dar mais oxigénio, só que apesar de muitos não saberem, segundo a legislação do nosso país e a lei internacional, o mais cedo que os Estados Unidos da América se poderiam retirar do Acordo de Paris seria dia seguinte ao das próximas eleições”.

Al Gore, que falava no encerramento da Está de regresso a Climate Change Leadership, com uma edição focada em soluções concretas para que a fileira do vinho combata o impacto das alterações climáticas, a decorrer ao longo dos últimos três dias, na Alfândega do Porto, perguntou a si próprio: “e se houver um novo presidente?”, respondendo logo que “demoraria um mês a tomar posse o novo presidente dos EUA, mas nesse caso o país estaria novamente dentro do acordo”, porque, segundo salientou, “vincula vários países a uma agenda comum contra as alterações climáticas”.

Al Gore tem-se destacado no combate ao aquecimento global e as alterações climáticas, afirmando na sua longa intervenção, que “trinta países, incluindo Portugal, já se juntaram ao acordo de descarbonização”.

Ainda segundo recordou Al Gore, “mais de 160 empresas globais comprometeram-se e a indústria vitivinícola está a ajudar, liderando o caminho”.

Al Gore é fundador e presidente da administração da The Climate Reality Project, uma organização não lucrativa dedicada a resolver os problemas do clima, e autor de vários livros sobre os impactos das alterações climáticas.

O antigo número vice-presidente dos Estados Unidos da América saiu da Alfândega do Porto, já ao princípio da noite, depois de ter privado com diversas personalidades e alguns convidados, sempre escoltado pelo Corpo de Segurança Pessoal da PSP.

No Protocolo do Porto está em causa um acordo de compromisso de união de esforços e criação de uma base de dados para combater as alterações no clima, assinado nesta mesma cidade, em 2018, então na presença de Barack Obama.