Sociedade

Vídeo com testemunho de portuguesa a viver no Reino Unido está a tornar-se viral

“Não posso simplesmente ser chutada daqui para fora. Eu construí coisas para vocês, tomei conta dos vossos filhos e tratei dos mais idosos deste país. Agora expulsam-me com o quê?"

O testemunho de uma portuguesa que reside no Reino Unido está a ser partilhado pelos media internacionais, que descrevem as palavras da portuguesa como um testemunho "apaixonado". 

Durante um protesto contra a aprovação da Rainha Isabel II da suspensão do Parlamento Britânico, a mulher interrompeu a entrevista de um jornalista da Sky News e falou sobre a sua situação enquanto emigrante em Inglatera. “O que vou fazer? Como vou ficar? Quais são os meus direitos? Estou no escuro", declarou, visivelmente revoltada.

A mulher, que vive há vinte anos no Reino Unido, não se identificou durante a entrevista mas isso não a impediu de tentar representar não so a comunidade portuguesa que vive naquele país, como todos os estrangeiros europeus que optaram por residir e fazer vida em Inglaterra. "Não tenho voz. O esquema de regularização [do estatuto migratório obrigatório para os cidadãos europeus residentes no Reino Unido] não está a resultar.”

O processo de autorização de residência está a ter problemas, o que assusta a portuguesa, visto a data limite para a saída do Reino Unido da União Europeia estar cada vez mais próxima. "Disseram-me que o meu número de Segurança Social não bate certo e que o processo tem de voltar ao início, mas o 31 de outubro está a chegar. O que vou fazer? Quais são os meus direitos? Estou no escuro", diz revoltada. 

A mulher fala ainda dos vários trabalhos que realizou ao longo das duas décadas e afirma estar grata ao país por tudo, no entanto, a situação atual entristece-a e deixa-a perdida. “Não posso simplesmente ser chutada daqui para fora. Eu construí coisas para vocês, tomei conta dos vossos filhos e tratei dos mais idosos deste país. Agora expulsam-me com o quê? Com o quê? Sinto-me muito magoada com o que eles [os apoiantes do Brexit no Parlamento] fizeram com Inglaterra. Eu vim para aqui e juntei-me à força de trabalho. E estou muito orgulhosa”, disse, emocionada.

A suspensão do Parlamento até dia 14 de outubro reduz o tempo que os deputados têm para tentar bloquear a saída do Reino Unido da União Europeia: ou seja, é provável que Johnson avance com ou sem acordo e ganhe força política através deste atraso