Internacional

360 mil pessoas deslocadas nos EUA por causa do Dorian

Nas Bahamas o Dorian chegou ao nível 5 - a categoria máxima -, com ventos de 300 quilómetros por hora, matando 20 pessoas. 

Durante a madrugada de quinta-feira, o olho do Furacão Dorian atingiu os estados da Califórnia do Norte e Carolina do Sul com chuvas intensas e ventos fortes, - chegando mesmo a gerar pequenos tornados. Subiu de novo para a categoria 3 na manhã de quinta-feira, mas voltou para o nível 2 durante a tarde, de acordo com o National Hurricane Center. 

O centro de uma tempestade não precisa de se encontrar em terra para causar sérios estragos. Embora o Dorian continue no mar, a 80 quilómetros de Charleston, Carolina do Sul, na manhã de quinta-feira. Para fugir à chuva e às rajadas de 175 quilómetros por hora, foram deslocadas 360 mil pessoas no mesmo estado e 200 mil viram a sua eletricidade cortada por causa da tempestade, bem como nove mil na Carolina do Norte e sete mil na Geórgia.   

“Vá para um sítio seguro e fique lá”, aconselhou o Governador da Carolina do Norte, Roy Cooper. “Isto não vai ser pêra doce. Seja em terra ou não, o olho da tempestade estará perto o suficiente para causar imensos danos”, avisou Cooper. 

De acordo com o National Hurricante Center o Dorian poderá manter a intensidade até sábado. A Carolina do Sul já enfrentou alguns furacões no passado. Por exemplo, o Furacão Hugo devastou 21 mil casas e matou 35 pessoas naquele estado, em 1989. 

Nas Bahamas o Dorian chegou ao nível 5 - a categoria máxima -, com ventos de 300 quilómetros por hora, matando 20 pessoas. Das 700 ilhas do estado-arquipélago, as ilhas Ábaco e a Grande Bahama foram de longe as mais afetadas. O Dorian ainda devastou  cerca de 13 mil casas nas ilhas caribenhas - 60% da capital das ilhas Ábaco ficou destruída, de acordo com o primeiro-ministro daquele país, Hubert Minnis, deixando consequências que vão afetar “gerações”.