Cultura

Sanita de ouro roubada

A exposição abriu na quinta-feira e na madrugada de sexta a peça já tinha desaparecido do museu britânico.

América, a sanita de ouro de 18 quilates criada por Maurízio Cattelan, foi roubada no passado sábado do palácio Blenheim, no Reino Unido.

A obra de arte criada pelo artista italiano surgiu da ideia de usar um material raro para criar um objeto muito comum que podia ser usado pelos visitantes da exposição. Maurizio é conhecido pela sua irreverência e pelo sentido de humor que põe nas suas criações artísticas. A sanita esteve exposta desde 2016 no Guggenheim Museum em Nova Iorque, onde mais de 100.000 pessoas a utilizaram, e mudou-se para a exposição Victory Is Not an Option, de onde foi roubada.

O fundador da Blenheim Art Foundation  lançou um comunicado onde expressa uma enorme tristeza e surpresa pelo ocorrido e onde se mostra esperançado na descoberta  da obra de arte o mais rápido possível, para que volte para  o museu.

O Guardian noticiou que o principal suspeito é um homem de 66 anos que se encontra preso por poder estar relacionado com o roubo, mas ainda não se sabem mais detalhes.

Ao arrancarem a sanita os ladrões estragaram as paredes do palácio que viu nascer Winston Churchill em 1874 e inundaram parte do museu.

Quando Maurizio foi avisado do roubo, pensou que se tratava de uma partida, porque não percebia o porquê de roubar uma sanita, mas lembrou-se rapidamente que esta era feita de ouro, contou o artista ao New York Times.

Estima-se que a peça valha entre um  e quatro milhões de euros e o principal receio da Polícia é que a sanita de ouro maciço tenha sido derretida.

A obra de arte foi inspirada em Trump.