Sociedade

Montijo. Plataforma contra aeroporto vai recorrer aos tribunais

Movimento cívico opõe-se à construção do aeroporto na Base Aérea n.º 6, no Montijo

A Plataforma Cívica Aeroporto BA6 – Montijo Não!, criada por cidadãos descontentes com a perspetiva de ver ser construído um aeroporto na Base Aérea n.º 6, no Montijo, prometeu recorrer à via judicial e inclusivamente apresentar uma queixa à Comissão Europeia.

A revelação foi feita à Agência Lusa por José Encarnação, porta-voz do movimento, após reunião no Barreiro, designada a fazer um balanço da atividade e apresentar o ponto da situação referente ao aeroporto do Montijo, bem como perspetivar medidas e ações a levar a cabo a curto/médio prazo. José Encarnação garante que terão existido "algumas ilegalidades no contrato de concessão dos aeroportos nacionais" aos franceses da Vinci e confirmou a intenção da plataforma cívica de entregar "algumas providências cautelares na base do processo principal".

"Em todo este processo do novo aeroporto a União Europeia foi posta à margem e a localização é num sítio de importância comunitária. Além disso, este projeto é um péssimo contributo para o combate às alterações climáticas preconizado pela União Europeia", salientou o porta-voz do movimento cívico. "A plataforma foi constituída no sentido de um debate sereno que serve de resolução dos problemas que a construção do novo aeroporto pode suscitar, mas agora decidimos avançar para iniciativas de contestação popular, que podem passar por cordões humanos ou vigílias, a realizar já nestas duas primeiras semanas de dezembro nas zonas do Samouco, Montijo e Alcochete (onde as populações poderão ser mais afetadas caso a construção do novo aeroporto vá mesmo para a frente)", completou, prometendo ainda avançar, "depois do dia 16 de dezembro (e da entrega do novo Orçamento do Estado), com uma iniciativa na Voz do Operário", em Lisboa, e outra em janeiro, após o ano novo.

"Não são só os impactos negativos do novo aeroporto no Montijo que estão em questão, são também os impactos das obras de ampliação do atual aeroporto de Lisboa", frisou José Encarnação. A 4 de janeiro, o então ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, assegurou que serão cumpridas integralmente as eventuais medidas de mitigação que viessem a ser definidas pelo estudo de impacto ambiental para o aeroporto complementar do Montijo.