Sociedade

Família portuguesa sem-abrigo rejeitou apoio social em Paris

A história desta família foi contada pelo jornal Le Parisien, que dá conta de que os filhos da mulher de 37 anos, que têm 13 e 8 anos, vão á escola e são os primeiros a chegar e os últimos a sair. 

Uma portuguesa que vive nas ruas de Paris com os seus dois filhos terá rejeitado apoio social disponibilizado pelo consulado português. Segundo a Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas anunciou, esta segunda-feira, a mãe terá sido contactada pelo consulado geral na capital francesa, que acompanha a situação.

Desde o início de dezembro que o Estado português tem vindo a acompanhar este caso, estando Portugal “em contacto com as autoridades francesas competentes”.

"Foi também possível estabelecer contacto com a cidadã nacional em causa, a quem foi disponibilizado apoio social, tendo esse apoio sido rejeitado", disse a mesma fonte à agência Lusa, garantindo ainda que "a situação desta família continuará a ser acompanhada com a máxima atenção, tendo em conta que estão envolvidos dois cidadãos menores".

De acordo com o jornal Correio da Manhã, foram reportados 31 casos de “carência social” ao consulado geral de Paris. Estes casos são, segundo a mesma publicação, encaminhados para as autoridades francesas, apesar de contarem “também com o apoio da parte de associações sociais da comunidade portuguesa em França", segundo dados da secretaria de Estado.

A história desta família foi contada pelo jornal Le Parisien, que dá conta de que os filhos da mulher de 37 anos, que têm 13 e 8 anos, vão á escola e são os primeiros a chegar e os últimos a sair. A reportagem denuncia que a família mora na rua devido á falta de pensões sociais de apoio aos sem-abrigo, na hibitação social e por falta de emprego estável para a mãe.