Economia

Nova crise em 2020? Sinais estão todos aí

A guerra comercial, as eleições nos EUA e o Brexit continuam a ser vistos como principais ameaças ao crescimento económico mundial. Previsões do FMI e da OCDE revistas em baixa.

Os alertas de uma nova crise financeira em 2020 já foram dados e os sinais também são cada vez mais evidentes:  o crescimento da economia mundial continua a dececionar, as tensões comerciais mentêm-se e a dívida alcançou níveis históricos.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) já veio chamar a atenção para o facto de a economia mundial ter de estar preparada para enfrentar uma nova crise económica. 

Mas, antes disso, Nouriel Roubini, economista que antecipou a crise de 2008, já previa uma nova crise financeira global para o próximo ano. O norte-americano aponta a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China e ainda o Brexit como dois dos fatores que podem levar a uma recessão mundial em 2020.

O que é certo é que tanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) reviram em baixa as previsões para o próximo ano. 

A guerra comercial, as eleições nos Estados Unidos e o Brexit continuam a ser vistas como as principais ameaças para o crescimento económico mundial. 

E os números falam por si. 

Para o próximo ano, o FMI reviu em baixa o crescimento do PIB mundial em 0,1 pontos percentuais, para 3,4%. "Este fraco crescimento é uma consequência da subida das barreiras comerciais, da elevada incerteza relativa às políticas comerciais e geopolítica e fatores idiossincráticos causados por constrangimentos macroeconómicos em várias economias emergentes", revela. 

O FMI aponta ainda fatores estruturais, como o fraco crescimento da produtividade e pressões demográficas decorrentes do envelhecimento da população nas economias avançadas. 

Portugal não ficará alheio a esta possível recessão.