Sociedade

Incêndio na Guarda deixa nove pessoas desalojadas, incluindo quatro crianças

Ilda Monteiro, que vivia com a família e os quatro filhos na casa onde as chamas se iniciaram, afirma que ficou “sem nada”, apenas com “a roupa no corpo”.

Um incêndio que deflagrou, esta quinta-feira, na Guarda, deixou nove pessoas desalojadas, incluindo quatro crianças. As chamas destruíram duas habitações e deixaram uma casa sem condições de habitabilidade, “devido aos danos provocados pela água”, no combate às chamas, segundo declarações do adjunto do comando dos Bombeiros Voluntários da Guarda, Marco Lucas, citado pela agência Lusa.

A situação ocorreu na Rua dos Caminhos de Ferro, na Guarda-Gare, cerca das 09h49. Numa das habitações residiam sete pessoas, das quais quatro eram menores. As outras duas casas eram ocupadas, por um morador cada.

Até ao momento, os bombeiros afirmam não ter conhecimento do que causou o incêndio. "As causas do incêndio são desconhecidas por nós. Agora, vão ser as entidades competentes a averiguar isso. À nossa chegada já estava uma das habitações toda tomada" pelas chamas, acrescentou Marco Lucas.

Ilda Monteiro, que vivia com a família e os quatro filhos na casa onde as chamas se iniciaram, afirmou, à agência Lusa, que ficou “sem nada”, apenas com “a roupa no corpo”. Sobre o que terá estado na origem das chamas, a mulher adiantou apenas que tinha deixado a lareira acesa, antes de sair da habitação.

Técnicos da Câmara Municipal da Guarda e da Segurança Social estiveram no local a avaliar "uma solução de realojamento" das três famílias que viviam nas casas atingidas pelo incêndio.

No combate às chamas estiveram 27 operacionais, apoiados por 10 viaturas das corporações de Bombeiros Voluntários da Guarda, Gonçalo e Celorico da Beira, da PSP e da Proteção Civil Municipal.